FIM DE UMA ERA- ´JÁ VAI TARDE !

..O fim de uma era na cultura 'club' carioca

Por Ronald Villardo (ronald.villardo@oglobo.com.br)

Agência O Globo – sáb, 3 de mar de 2012....




RIO - Há duas semanas o Facebook trouxe uma notícia que fez tremer as bases da cultura club carioca: Adriana Lima, produtora e dona do clube Dama de Ferro, em Ipanema, anunciava a decisão de "passar o ponto", depois de dez anos de funcionamento ininterrupto da pista de Ipanema. O texto também avisava que a última noite, ainda sem data, se chamará "Bye, bye, Dama" e que os interessados no negócio deveriam enviar um e-mail para a (ex?)empresária.A reação foi imediata. Dezenas de comentários lamentando a decisão de Adriana apareciam a cada minuto no post. Eram frequentadores, DJs, VJs, produtores e toda uma geração que teve na boate carioca o principal palco de acesso às novidades das pistas internacionais, leiam-se as tendências musicais do eletrônico underground que mais tarde são, invariavelmente, diluídas no disco do ícone pop mais cafona.

- Acho que contribuí bastante com a cultura da cidade, mas atualmente ando interessada em outras coisas. Para mim, já deu - diz Adriana.

Festa Moo começou lá

A contribuição foi ampla, geral e irrestrita. Como um dos principais palcos para o exercício da cultura dos clubes no Rio, o Dama foi palco de apresentações de artistas internacionais de relevância legitimada por críticos e publicações especializadas, foi "incubadora" de personagens que se tornaram produtivos no mundo noturno da cidade e, de quebra, abriu as portas para as primeiras versões de festas que viriam a ser emblemas cariocas, como Moo, Se joga! e Do Hauze, entre outras.

- O Dama é um lugar onde um DJ como o Carl Craig pode tocar para uma pista repleta de amigos, o clima escuro de inferninho parece amigável e em que dá para encontrar gente nova enquanto se diverte com todos os conhecidos ao redor - diz o DJ e produtor Eduardo Christoph, um dos criadores da Moo. - O começo da festa deu tão certo lá que a gente lotava a boate em plena quarta-feira.

A lembrança do set do DJ americano Carl Craig não pertence apenas à memória de Christoph. Quase todos os que estiveram naquela noite de março de 2007 apontam a apresentação como "histórica", não apenas por Craig ser um dos pioneiros do techno de Detroit mas porque o show foi, de fato, uma aula para DJs locais. Craig recriou sons ao vivo, desconstruindo ritmos e beats e hipnotizando os fãs de eletrônica.

- Ele amou aquela noite e ficou hospedado lá em casa - conta Adriana, com a informalidade que marcou a trajetória do Dama.

O DJ americano Larry Tee, mentor do movimento Electroclash, que chacoalhou as pistas no início da década, também teve no Dama seu melhor pouso por estas bandas.

- Depois de o Larry tocar para a gente, começamos a receber um DJ gringo por semana - conta Adriana, que sempre tratou a boate como uma extensão da sua casa, ambientada, como o Dama, com paredes de cimento e habitada por móveis de ferro.

São peças assinadas pela versão escultora da empresária, especializada na torção e no tratamento de metais que usa para criar as obras de arte, às quais ela voltará a se dedicar depois que o último convidado tiver deixado a festa de encerramento.

- Vou tirar o "dama" e ficar apenas com o "de ferro" - diverte-se ela.

Aliás, Adriana anda se divertindo muito mesmo.

- Não tem esse clima de tristeza, arrependimento, nenhum desses sentimentos ruins. É apenas uma fase nova para mim - resume.

O fim do Dama de Ferro deverá marcar o início de uma nova fase para toda a noite carioca. Qual será a próxima atração?

4 comentários:

Anônimo disse...

Esse poste deve ter sido feito errado, não?

Pergunte aos vizinhos desse inferno, o que eles aguentaram esses anos todos!

Matéria, totalmente fora do propóstio do PSI!!! Que é contra a baderna, barulho e incômodos!!!!

Anônimo disse...

NEM TODAS AS NOTÍCIAS SÃO BOAS ! SE É SOBRE IPANEMA....SÃO COLOCADAS.O QUE NÃO QUER DIZER QUE SEJAMOS A FAVOR !
JÁ VAI TARDE !

Anônimo disse...

Sim,a rua vai ficar triste e vazia....facilitando assaltos...ainda vão sentir saudades!

Anônimo disse...

Já vai tarde!!