(Abaixo Assinado) Rio+Seguro pode ser extendido para Ipanema


Na última reunião do PSI, o vereador  Marcelo Arar , que lidera o Programa Rio + Seguro da Prefeitura, se dispôs a levar, junto com o Vereador Carlo Caiado, ao prefeito Marcelo Crivella, o pedido para que este programa que já está tendo ótimos resultados em Copacabana e leme seja extendido para Ipanema.

O programa segue basicamente os mesmos princípios do Ipabacana, Lagoa Presente, Centro Presente etc. É o pagamento, de PMs e GMs ou aposentados, destas corporações,  nas suas horas de folga,  para que entrem em serviço. Isto significa um aumento de mais ou menos 30% no policiamento ostensivo do bairro. O que quer dizer, mais policiais e viaturas nas nossas ruas.
No caso do Ipabacana , Lagoa Presente e Centro Presente, este pagamento foi feito através de uma parceria entre a prefeitura e a iniciativa privada. No caso do Rio + Seguro é a Prefeitura do Rio que absorve estes custos.

É ÓBVIO QUE, PRECISAMOS DA PARTICIPAÇÃO DE TODOS OS MORADORES. NÃO PODEMOS LEVAR ESTA PROPOSTA AO PREFEITO SEM O AMPLO APOIO DO PRINCIPAL INTERESSADO – A POPULAÇÃO.



Vamos fazer um abaixo assinado. Segue o modelo em anexo:

Download direto





1-      Cada um tem de se responsabilizar pelo sua quadra na rua aonde mora – Por exemplo – eu vou me responsabilizar pela quadra da Prudente de Moraes entre Vinicius e Joana Angélica dos dois lados da rua. Por favor, confirmem quais os locais de seus respectivos trabalhos, para que duas pessoas trabalhem no mesmo local
2-      Cada um imprime o modelo que segue em anexo e conversa com os síndico de cada prédio, explica e pede que ele recolha a assinatura dos moradores. Vamos dar um prazo de sete dias para voltar e recolher o abaixo assinado preenchido.
3-      NÃO ADIANTA ENTREGAR AO PORTEIRO E PEDIR QUE ELE FALE COM O SÍNDICO. TEM DE FALAR COM O SÍNDICO PESSOALEMNTE. Se falar com o porteiro ele não vai ter comprometimento nenhum.

4-      TEMOS DE RECOLHER PELO MENOS 1.000 ASSINATURAS.MENOS QUE ISSO NEM VALE A PENA LEVAR AO PREFEITO, POIS NÃO VAI TER REPRESENTATIVIDADE.

5-      Conto com o apoio de todos,

Ignez

Reunião dos moradores e amigos de Ipanema mês de Julho



O projeto de segurança de Ipanema em parceria com amigos e empresários locais, promove mais uma reunião buscando melhorias e soluções para os problemas do bairro. A pauta dessa reunião incluí diversas questões polêmicas e urgentes do bairro de Ipanema e adjacências.

PAUTA DA REUNIÃO

  1. Carnaval 2018
  2. Banda de Ipanema
  3. Simpatia é quase amor
  4. Estacionamento irregular
  5. Rainha Elizabeth
  6. Caminhões de Gelo
  7. De idosos ao longo da via
  8. Camelôs  e quentinhas
  9. Jangadeiros  com Barão da Torre as Terça-feiras
AGRADECIMENTOS

߇ Solução dos problemas Farme com Alberto de Campos
߇ Solução para o vazamento de esgoto do CIEP joão Goulart

Os interessados em participar devem ficar atentos ao local, data e horário:
Data: 23/07/2018
Local: Colégio Notre Dame
Rua Barão da Torre, 308 - Ipanema

Diversas autoridades foram convidadas e confirmaram presença.

Marcelo Alves - PRESIDENTE DA RIOTUR
Marcelo Maywald - SUPERINTENDENTE MUNICIPAL DA ZONA SUL
Rui França - COMANDANTE DO 23º BPM LEBLON
Tatiana Mendes - COMANDANTE DA GUARDA MUNICIPAL
Ananias Brum - INSPETOR DA GUARDA MUNICIPAL



(Opcional) Baixe a pauta pelo Onedrive:  https://drive.google.com/open?id=0Bz6HnIBayMEVR0xmcC1wTHBKZ3lBRHRTdTUtZjVaV3BSbkJz

Reunião da riotur define parâmetros do canaval 2019

Oi pessoal
Essa foi a 4ª reunião da Riotur para tratar do Carnaval 2019 e a 1ª para com foco na Logisitica, Planejamento e  Ordenamento p/ a ZONA SUL do Rio

Esta, com associações dos bairros e Blocos.

A reunião foi boa – gostei do Marcelo Alvez (pres. da Riotur), o cara é positivo e soube conduzir uma reunião complexa – ordem, estratégia e, me pareceu, boa vontade de acertar. Cabe a nós: acompanhar, cobrar, propor, negociar, avançar.

Foi mesmo bom pedirmos esta reunião que, afinal, já estava marcada! Mas valeu, andamos na mesma direção e isso foi positivo.

Presentes mtas lideranças de moradores e comerciais dos bairros, estavam quase todos lá: S. Conrado, Ipanema, Leblon, Selva de Pedra, Copa, Bairro Peixoto, Lido, Leme, Hunaitá, Jd Botanico, Sta Teresa, Gloria, Flamengo, Centro.

E muitos blocos/bandas - Banda de Ipanema, Simpatia, banda da Glória, Rola Preguiçosa, Cachorro Cansado (??), Coreto (Centro), Mulheres de Chico.
Sebastiana foi a única exaltada, momento mais atritado da reunião, mas logo ultrapassado e ela saiu batido.

Riotur e demais da Prefeitura e afins estavam vários – a assessoria direta do Marcelo – adv. Christian juridico, Katia Kandu – gerente de eventos Riotur.
Outros como Luis Felipe - coordenador de fiscalização da Prefeitura, Katia Simões – gte eventos área da saúde, Carol Lombardi – comunicação digital da Prefeitura, Gustavo – Cet Rio.

João Vítor - major da Polícia Militar, responsavel pela estratégia para o Carnaval 2019. Disse que está com o efetivo mto pequeno...
Comandante Araújo – ordem pública Ipanema/leblon.

Presente tb a Dream Factory, não se manifestou.

Riotur apresentou o calendário das 5 fases desde a inscrição até assinatura do Termos de Responsabilidade com os blocos aprovados, previsto p/ set/outubro.
Inscrição no site www.carnaval.rio de 02/maio a 15/junho - foram 765 inscritos, de 590 organizadores. Há blocos que não se inscreveram – não sabem como controlar estes.

Eu fiz logo a pergunta: o que está previsto apra a Banda de Ipanema e Simpatia? Eles permanecem, mas terão qeu ser regrados. Quais regras? A construir em conjunto.... Ignez tb marcou o ponto, firmando as posturas que demandamos. Daí qeu a Rita da sebastiana se posicionou,mas de forma mto exaltada, saiu do tom da reunião. Mais adiante, Tony tb falou, reforçando a necessidade de atender a todos os lados, principalemtne o da maioria que é dos moradores.

Foi lembrado que em 2018 mts blocos não autorizados concentraram no Parque de Ipanema – causando severos transtornos e danos ao patrimônio.
S. Conrado ressaltou que NÃO QUER MAIS BLOCOS do qeu já tem – não há mais capacidade de suportar novos.

Mto interessante foi a fala do JOSÉ MARCONI – rep. do SOS Patrimônio – grupo do Facebook que reúne 6.000 membros. Estão MUITO preocupados com a ida de mais megablocos para o Centro, que reúne um acervo patrimonial de peso do Rio –, não conservado e não protegido no Carnaval. Deveria ser explorado no Turismo e é quase que totalmente desprezado! O Marcelo se tocou bastante com o qu foi dito e na hora indicou as pessoas para prosseguirem o contato com este grupo.

Por fim, a questão dos ambulantes foi levemente mencionada – falei com Katia Kandu que esclareceu qu os ambulantes credenciados pelos blocos, tem crachá e ficam dentro do bloco, passando junto. Os que permanecem (jogando lixo, dormindo na orla, vendendo alcool para menores etc) não são de responsabilidade dos blocos, mas da CGEU (??). Não sabe como tratar esse problema.

PROXIMA REUNIÃO – daqui a 1 mes, com os agentes organizadores- empresas. Não sei se os bairros serão chamados.

Bjs e boa noite, pf corrijam/complementem com vossas obs.

(Oglobo) Combater a narcomilícia na Rocinha é essencial



Hoje o jornal O Globo publicou a página 18 do Primeiro Caderno na coluna de Opinião um artigo muito interessante – “ Combater a narcomilícia na Rocinha é essencial”. Como o título já diz, por si só, a narcomilícia tomou o comércio informal daquela comunidade, estabelecendo taxas de ocupação, segurança, venda de água, gás, transporte etc. É negócio que chega a um bilhão de reais/ano.

Prezados Cel. Amendola e Comandante Tatiana,

Infelizmente não é só a Rocinha e nem mesmos outras comunidades que tem este terrível problema. Também os bairros formais estão fazendo parte deste leilão, macabro, que prospera no vácuo do poder público.

O Projeto de Segurança de Ipanema tem trabalhado à exaustão, para que esta realidade não se imponha ao nosso bairro. Sem muito sucesso.

1 -  Nossas ruas estão cada vez mais tomadas por ambulantes vendendo todo tipo de produto, sem nenhum tipo de fiscalização a respeito da origem dos mesmos. O máximo que a Guarda Municipal consegue, com muito esforço, diga se de passagem, fazer, é verificar se aqueles ambulantes são autorizados ou não.
Não adianta muito: a)-  cada vez mais autorizações são dadas pela Prefeitura
                                        b) – o fato de ser autorizado não quer dizer que a origem da mercadoria vendida é boa ou se é originária do roubo de carga, assaltos, contrabandos ou falsificações
                                        c) – também o fato de ser autorizado não impede que o vendedor deixe de pagar propina ao miliciano para ocupar aquele espaço público.
                
2 – Na  Praça N. Sra. da Paz que, quando abriu a nova estação metrô, há apenas dois anos atrás, só tinha um ambulante autorizado para trabalhar na esquina de Joana Angélica com Visconde de Pirajá – uma sra. que vende roupas. Hoje são mais de sete instalados diariamente vendendo, esfirras, churros, cachorro quente, coxinhas, flores, e roupas. Dentro de muito pouco tempo serão vinte e estaremos em situação igual à todas as outras saídas de metrô, aonde o usuário tem de abrir caminho entre os ambulantes que tomaram o espaço público. Me pergunto se o poder público considera esta experiência bem sucedida. Não é possível! É desordem e caos urbano!
Na mesma praça, se estabeleceu um cronograma de feiras, foras as duas tradicionais – feira livre e de orgânicos – que ocupam a praça durante alguns dias na semana e aos finais de semana. São feiras ditas “artesanais” mas aonde se encontra de tudo para comprar – comidas, bebidas, roupas, biquínis, bonés, chaveiros, cintos bolsas, roupa de criança e de adultos etc. etc.
A população gostaria que as nossas praças N. Sra. da Paz e Jardim de Alá fossem ocupadas, exclusivamente, por eventos culturais – apresentações de corais, música, danças, desfiles de moda, festas religiosas, leitura com as crianças, debates com adolescentes, etc.etc.

3 – As quentinhas são um caso à parte – elas proliferaram no bairro de tal modo que, segundo nossos cálculos mais otimistas , tem pelo menos umas sessenta pessoas vendendo comida para a população sem o menor controle sanitário, origem da matéria prima etc.

Neste momento, vimos pedir aos srs.,  gestores públicos sérios e responsáveis,  que ajudem a população.
Sabemos que a crise econômica está muito profunda, que o ambulante não é bandido, que as desigualdades sociais e o desemprego são chagas que temos carregado com vergonha, mas infelizmente a solução não passa pelo mecanismo simplista de deixar aumentar a informalidade. Este só leva a mais desordem e caos.  Sei de alguns vereadores que sugerem a criação de mais camelódromos, na ilusão de que poderia haver, desta forma, mais fiscalização. É renomada loucura, insensatez e populismo  puro e simples. A experiência nos mostra que o caminho tem de ser o contrário. O celular roubada da jovem que foi morta na Ilha do Governador, foi recomprado no camelódromo da Pavuna, o camelódromo da Uruguayna é controlado por grupos de bandidos milicianos e assim em todos os outros que existem na cidade. Será que as inúmeras experiências, amplamente divulgadas não ensinam nada?
A cidade precisa , ao contrário, se formalizar para criar renda e impostos.

Pedimos um esforço para que  a fiscalização em Ipanema se faça com rigor e de forma contínua.

Atenciosamente,

Ignez Barretto – coordenadora do Projeto de Segurança de Ipanema - 993984020