[EMAIL] O caos sistemático implantado em Ipanema


As políticas de popularização continuam, caos promovido e ingerências por parte de um Governo reconhecidamente internacionalizado. Apesar dos múltiplos esforços por parte de moradores e comerciantes para que o caos promovido em nosso querido bairro tenha um fim, isso parece muito distante de acontecer.

Reuniões, cartas e abaixo-assinados tem sido apenas parte dos esforços de moradores e comerciantes, que por vezes acabam fazendo a vez dos serviços públicos pelo bairro. Temos pessoas que ajudam a cuidar dos canteiros, fazem limpeza e até mesmo ajudam na fiscalização do bairro.

Só que parece que o prefeito está mais preocupado em conseguir aprovar leis para receber auxilio para as instituições do seu tio que o elegeu. Por vezes mais preocupado em liberar licenças para barracas de vendas de salgados populares, que competem diretamente com as lanchonetes. A diferença no preço se justifica pelo simples fato de não pagarem água, luz ou aluguel de imóvel para fabricação e comercialização.

Assim como tem feito vista grossa para pessoas o dia todo deitado com colchões nas calçadas, lembrando que das 20:00 até 09:00 é justificável pela necessidade de descanso de qualquer cidadão. Agora depois desse horário tem que levar para abrigos, sim, já que não se trata de direitos de cada um e sim de uma baderna injustificável.

Para completar a Praça Nossa Senhora da Paz vem recebendo feiras e mais feiras, num espaço que deveria ser destinado ao descanso, lazer e cultura. Sem esquecer que a Antero de Quental, está passando pelo mesmo problema.

Novamente uma carta foi enviada ao Responsável pelo Setor de Ordem Pública.


De: Ignez [mailto:ignezxxxlte.com.br]
Enviada em: domingo, 3 de dezembro de 2017 16:03
Para: superintendencia.zonasul@gmail.com
Cc: debora de freitas batista mattos
Assunto: feiras na praça N. Sra. da Paz


Ao Superintendente da Zona Sul, Marcelo Maywald,

Prezado Marcelo,

Apesar de seu compromisso, público, com os moradores de Ipanema, em reunião realizada pelo PSI com a presença de mais de 60 residentes e empresários do bairro, de que não haveria mais autorizações para eventos comerciais na Praça N. Sra. da Paz, estes infelizmente continuam. Hoje, domingo dia 3/12/2017 a chamada Feira do Fuxico está acontecendo com a autorização e apoio da Superintendência da Zona Sul e de uma Associação de Bairro, cuja atuação é totalmente desconhecida dos moradores. Estes eventos comerciais que se trasvestem em eventos para comercialização de artigos “artesanais” só trazem prejuízos ao bairro e ao comércio formalmente estabelecido.
1-      A Praça N. Sra. da Paz está sendo objeto de investimentos importantes que trarão ao nosso bairro um comércio sofisticado, de boa qualidade.

2-      Estas feiras que se dizem “artesanais” vendem de tudo – comida, roupas, sapatos, bolsas, biquínis, cangas, óculos, toda sorte de produtos industrializados, cervejas e bebidas alcoólicas.

3-      Cada vez que um evento tipo “feira” acontece, os comerciantes do entorno, que pagam impostos, geram empregos e renda tem queda de 40% de seu faturamento.

4-      A experiência do bairro com a feira Hippie que começou exatamente neste modelo, é desastrosa. Depois de quarenta anos, o que temos é uma praça que já foi ponto nobre do bairro, completamente degradada, pontos comerciais no seu entorno desvalorizados, e sobretudo um evento que vende toda sorte de produtos sem origem. A feira se transformou, e portanto o bairro, em lugar para escoar mercadoria roubada, falsificada e contrabandeada. O crime organizado é que manda.

5-      A continuação destes eventos na praça N. Sra. da Paz, vai levar, em muito pouco tempo à transformação da nossa praça em uma nova General Osório.

6-       O fato da Superintendência, se comprometer e não ser capaz de cumprir, nos leva à triste constatação do esvaziamento deste órgão e da força de associações que estão cobrando passe para facilitar as autorizações dentro da Superintendência.

7-      O resultado de tudo isso para a população do bairro é ver os seus imóveis e investimentos sendo corroídos pela desvalorização – os imóveis em Ipanema já valem pelo menos 20% menos do os do Leblon - seu bairro se degradando, tomado pelo comércio irregular e ilegal, sendo ocupado pelo crime organizado que é quem comanda todo este movimento. Dentro de pouco tempo a favelização vai estar instalada e sem possibilidade de reversão.

Peço providências, atenciosamente,
Ignez Barretto – Projeto de Segurança de Ipanema

Um comentário:

Ivan artesão disse...

Acusações levianas podem gerar processo.
A começar que a Feira Hippie de Ipanema, em 2018, completa meio século de existência, tendo sido tombada como patrimônio imaterial da nossa bela cidade.
Mercadoria roubada tem de ser provada.
A mercadoria é roubada da criatividade, trabalho é empenho dos artistas que lá, LEGALMENTE EXPÕEM.
Em 2018 o bairro de Ipanema comemora 124 anos de existência, e a nossa Feira Hippie de Ipanema, 50 anos.
Estamos lá a cerca de 40% do tempo.
Fazemos parte da história do bairro.