domingo, 30 de março de 2014

PRAIA

Areia da praia é monopolizada por ‘donos do pedaço’

  • Equipamento esportivo na orla fica restrito a escolinhas ou panelinhas
  • Orla não tem regras claras
LUDMILLA DE LIMA(

Areias nada públicas. Escolinha de tênis em Ipanema:
Foto: Ana Branco / Ana Branco
Areias nada públicas. Escolinha de tênis em Ipanema: Ana Branco / Ana Branco
RIO - As pistas da orla e o calçadão formam um território com muito cacique e (quase) nenhuma lei. Nas areias, do Leme ao Recreio, redes de vôlei, escolinhas, circuitos de academias e consultorias esportivas funcionam num vácuo da administração pública. Décadas de falta de regulamentação geraram os "donos do pedaço".
O espaço é público, mas há quem se diga proprietário dos postes instalados para as redes de vôlei e futevôlei. Em alguns pontos, o uso desses equipamentos é dominado por escolinhas ou por panelinhas: para jogar, só pertencendo a um grupo ou conhecendo alguém. Aos turistas resta o aluguel. É a antidemocracia das areias.
Essa confusão reflete o tratamento dado à questão pela prefeitura. A Secretaria municipal da Ordem Pública (Seop) se limitou a dizer que não tem qualquer registro de licença para consultorias esportivas na orla. E afirmou que nenhuma atividade econômica pode funcionar sem licença. Já a Secretaria municipal de Meio Ambiente empurrou o tema para a pasta de Esportes e Lazer. Esta, por sua vez, o jogou para a Subprefeitura da Zona Sul - que informou estar cadastrando as escolinhas de praia da região, a fim de fornecer um alvará provisório, sem explicar em que termos elas atuam hoje.
Sobre os postes e traves nas areias, a subprefeitura disse que, se forem de escolinhas, podem ser utilizados por qualquer um fora dos horários de aula. E que os demais equipamentos, por ficarem em espaço público, também estão liberados para todos. Mas, na prática, não é bem assim.
Um professor de educação física, que não quis ser identificado, diz que há uma lenda segundo a qual os postes têm donos, que não são os mesmos das escolinhas, e sim pessoas que jogam no fim de semana. Na orla, o que se ouve é que os postes são de moradores antigos, que instalaram os equipamentos. Um grupo de 40 moradores do Leblon que joga beach tennis no final da praia se espantou recentemente com a chegada de um desses "donos".
- Um dia apareceu uma pessoa com um documento da prefeitura, dizendo-se responsável pela quadra. Contratamos advogado e fomos à subprefeitura, mas fomos muito mal atendidos. A praia é pública, e agora ficam numa rede 40 pessoas enquanto a do lado permanece vazia - conta a fisioterapeuta Luciane Carelli, integrante do grupo.
O professor de futevôlei Eli Pinheiro conta que mantém o espaço da escolinha na base da amizade com um grupo de proprietários. Segundo ele, os donos são moradores antigos do Leblon e pagariam à prefeitura uma taxa anual de R$ 500.
O subprefeito da Zona Sul, Bruno Ramos, diz desconhecer a existência desses donos de postes e que esses casos podem ser denunciados ao 1746:
- Antigamente, era o Corpo de Bombeiros quem cuidava dessa fiscalização. Não existe dono de poste ali, dono de poste aqui. Um senhor que joga há 20 anos ali no mesmo lugar não é o dono. A praia é pública e feita para todo mundo utilizar.
No caso dos postes dominados por barraqueiros, seja no Leblon ou na Barra, eles costumam ser alugados, principalmente para turistas. No Pepê, só fazendo parte da patota.
- Aqui tem a panelinha: tem que conhecer alguém entre os mais velhos que jogam para colocar a rede - diz Márcio Mizael, que joga futevôlei na área.
Com relação às escolinhas, Ramos reconhece que as leis são antigas e promete novas regras, ainda em discussão, até o próximo verão. Ele diz que hoje poucas escolinhas funcionam com alvará, mas não sabe dizer quantas são nem como obter o documento. Em janeiro, a subprefeitura, com outros órgãos municipais, começou a fazer vistorias na orla do Leme e de Copacabana. Agora 48 escolinhas estão em processo de cadastramento. Em abril, as inspeções chegam a Leblon, Ipanema e Arpoador.
A Subprefeitura da Barra da Tijuca e Jacarepaguá explica que também está cadastrando as escolinhas da orla. E diz que, após operações de fiscalização, 17 profissionais solicitaram autorização para promover atividades físicas nas praias.
Quem trabalha com esportes na orla pede regras mais claras.
- Hoje, o funcionamento de uma escolinha envolve uma confusão de órgãos. É uma secretaria que joga para a outra - diz o professor de vôlei Claudio Motta, há 18 anos no Posto 6.

quinta-feira, 27 de março de 2014

ATA



Reunião PSI – 24/03/2014 – Colégio Notre Dame – Ipanema

      Contamos nessa reunião com a presença da Vereadora Leila do Flamengo, que mostrou bastante interesse em “juntar as forças” para devolver aos bairros, a qualidade de vida que todos habitantes merecem. Leila nos ofereceu ajuda no que for possível, dentro de sua área de atuação.

Encontro com o Coronel Marcus Vinícius Amaral, Comandante do 23º Batalhão de Polícia:

      Foi realizada no dia 19/03/14, uma reunião com o Coronel Marcus Vinicius Amaral, chefe do 23º Batalhão de Polícia, responsável pelo policiamento de alguns bairros da zona sul, incluindo Ipanema. Podemos considerar que o encontro foi bastante proveitoso e o Coronel mostrou grande interesse  e disposição para trabalhar com objetivo de melhorar a segurança do nosso bairro. Inclusive, se mostrou aberto à outros encontros em que representantes do comércio, restaurantes, moradores, hotéis trocam idéias e informações importantes para se traçar um projeto para devolver ao bairro suas características originais que sempre foi considerado “cartão postal” da cidade e que hoje se tornou “vítima” de uma série de fatores que se misturam e acabam desencadeando uma grande insegurança no bairro.
      Como exemplo da falta de previsão, prevenção, falta de controle por parte dos organizadores de mega eventos como o Carnaval, o próprio Comandante ficou sem escolha para policiar o bairro, devido ao pequeno número de homens( 70) que lhe foi designado para cobrir todo o bairro. Só restou a alternativa de dividir o efetivo enviado, em 03 grupos, nas extremidades e um no centro. O resto do bairro ficou sem segurança policial.
      O PSI vem há alguns anos “batalhando” por uma melhor organização durante o Carnaval, porém, com a questão da utilização da Praça N.S. da Paz, para a construção da Estação do Metrô, este assunto ficou “abandonado” por certo tempo.
      Mesmo que o resultado da “luta” não tenha sido satisfatório para a maioria dos moradores de Ipanema, que não queria a destruição da Praça, todo o trabalho foi positivo mas, muitos participantes desanimaram e, agora aos poucos estão novamente procurando retomar o movimento para melhorar Ipanema que está cada vez mais com sinais de abandono.
       Existem vários projetos futuros para a melhoria do bairro. Está previsto o replantio das árvores da Visconde de Pirajá que foram retiradas com a justificativa que estavam doentes. Está sendo programado o plantio de acácias, quaresmeiras, ipês e patas de vaca. Todas adequadas ao nosso clima e tipo de solo.

Carnaval: Ação Popular – Ministério Público- pela melhoria do Carnaval em Ipanema – reunião com o Advogado Raul Lins e Silva

      Voltando à questão do Carnaval no bairro, o PSI conseguiu um  grupo de advogados que vão entrar com uma Ação Popular em que serão pedidos a transferência dos blocos que passam pelo bairro, para o centro da cidade ou outro local mais espaçoso, pois Ipanema não comporta mais a quantidade de pessoas de toda a cidade que “invadem” a orla e até as ruas por onde os blocos não passam. A
proibição de colocação de caixas de som tocando o dia inteiro, como acontece em determinados locais, acabando com o mínimo de paz dos moradores.
      Será solicitado também o veto de permissões para ambulantes venderem bebidas alcoólicas pelo meio dos blocos. Só seria permitido a venda nos  bares da região. Assim sendo, presume-se que com a dificuldade de se adquirir o produto com facilidade, consequentemente o consumo iria cair na mesma proporção que a desordem, a violência e a falta de higiene.
      O que se pode observar atualmente, durante o Carnaval, são menores de idade não só consumindo bebidas alcoólicas como também vendendo em toda a extensão do bairro. Existe uma legislação com relação a esse detalhe, mas não há fiscalização, o que facilita muito esse tipo de infração.

Regularização do Cantagalo – Reunião com a Arquidiocese do Rio, dia 02/04.

      Nesta reunião vamos apresentar ao padre Manangão que é o assessor da arquidiocese do Rio de Janeiro para os projetos sociais a proposta de regularização do Cantagalo, transformando aquela comunidade em bairro dando aos seus moradores os direitos – títulos de propriedade e os deveres – pagamento dos impostos que obrigam o poder público a oferecer os serviços básico de todos os bairros – água, luz, esgoto, calçamento, iluminação pública, escolas , creches etc. O padre Manangão então vai levar a proposta para a avaliação de D. Orani. O objetivo é que a Igreja encampe esta proposta. O  título de propriedade gera o habite –se que por sua vez geram os impostos, caracterizando a região como bairro, dando condições de moradia decente a todos que ali vivem.      Atualmente, naquele local, assim como outras da zona sul, já existe transações imobiliárias, havendo constantemente compra e venda de imóveis.
      Os moradores sendo proprietários de suas moradias, poderiam exigir os serviços básicos dos órgãos públicos. Pois não se consegue muito resultado com as pacificações das favelas, se não for oferecido um bom projeto social aos moradores, assim como moradias dignas que qualquer ser humano merece.

Ata elaborada por Sylma Reis

 


terça-feira, 18 de março de 2014

sexta-feira, 14 de março de 2014

QUE MORRA !


 - Atualizada às 

Suspeito de roubo é imobilizado na Praia de Ipanema

Homem estava em uma bicicleta e foi empurrado pelas vítimas

O DIA
Rio - Um homem foi imobilizado por um vendedor de artesanatos após ter roubado o cordão de uma jovem na orla da Praia de Ipanema na tarde desta sexta-feira. A vítima, que estava com a amiga, conseguiu recuperar o acessório ao jogar o ladrão no chão, que estava em cima de uma bicicleta. Em seguida, as duas arremessaram a bicicleta do acusado na areia. No entanto, após a imobilização, ele conseguiu fugir. A Polícia Militar não foi informada do caso.
Várias pessoas se reúnem contra suspeito após roubo de cordão de jovem
Foto:  Alessandro Buzas / Agência O Dia
Vítima e amiga arremessam bicicleta de suspeito após roubo
Foto:  Alessandro Buzas / Agência O Dia
Bicicleta de suspeito sendo arremessada por jovens na areia
Foto:  Alessandro Buzas / Agência O Dia
Suspeito volta para a areia para pegar a bicicleta arremessada pela vítima e foge
Foto:  Alessandro Buzas / Agência O Dia
Homem é imobilizado após roubar cordão de jovem na orla da Praia de Ipanema
Foto:  Alessandro Buzas / Agência O Dia






    quinta-feira, 13 de março de 2014

    ATA DA REUNIÃO

    Atividade sem conotação política que tem como objetivo proporcionar segurança e desenvolvimento social para o bairro, a partir de participação voluntária de seus moradores.

    ATA DE REUNIÃO.

    LOCAL DE REALIZAÇÃO: COLÉGIO NOTRE DAME
                                                      R. Barão da Torre – Ipanema
    Dia: 10/03/2014
    HORÁRIO: 18H
    COORDENAÇÃO: IGNEZ BARRETO
    NÚMERO DE PARTICIPANTES: 5
    REPRESENTANTES DO PODER PÚBLICO:
    Ø      AUSENTES.


    TÓPICOS ABORDADOS :




    1- CARNAVAL E BLOCOS:
          Tendo em vista os acontecimentos extremamente prejudiciais aos moradores em sua segurança e mobilidade e, dando continuidade ao que já havia  sido analisado em reunião anterior, ficou estabelecido que todos os comportamentos não previstos serão transformados em ação popular em que serão arrolados a venda de bebidas alcoólicas a menores, atentado ao pudor, degradação do meio-ambiente, caixas de som em carros particulares em altíssimos decibéis, entre outros, que deverão ser enquadrados na forma da Lei que dispõem as liminares já lavradas e serão réus seus responsáveis.
         O PSI irá entrar com moção junto ao Ministério Público para solicitar a transferência destes eventos pra outros locais como o Sambódromo, centro da cidade, ou seja, locais destinados unicamente a tais comemorações. Solicita-se ainda aos patrocinadores, AMBEV E BANCO ITAÚ e outros, observarem suas responsabilidades quanto ao caos que se instala na região e notifica-se suas responsabilidades.
    Ressalta-se que grande parte dos veículos de comunicação apoiaram e divulgaram o efeito devastador que se transformou o Carnaval no Rio de janeiro.


    3- PRAÇA GEN. OSÓRIO e PONTOS DE ÔNIBUS
         Observa-se cada vez mais a degradação da Praça no que contribui o estacionamento de oito linhas de ônibus no seu entorno, chegando, inclusive a R. Teresa Aragão. Por vezes fazem estacionamento duplo, permanecem com os motores ligados e alto ruído.
         A feira hippie continua estacionando seus caminhões na madrugada de sábado na Av. Rainha Elizabeth, servindo de esconderijo para meliantes que assaltam os pedestres daquela região.
         
    OBSERVAÇÃO;: SOLICITA-SE AOS MORADORES QUE COMPAREÇAM AS REUNIÕES PARA CRIAÇÃO DE MASSA CRITICA QUANTOAOS NOSSOS PROBLEMAS DE    SEGURANÇA

    Ø      PRÓXIMA REUNIÃO: 24/03/2014
     
         
    Elaboração da ata: JGuia

    Rio de Janeiro, 11/03/2014               



    domingo, 9 de março de 2014

    REUNIÃO PSI



                A próxima reunião do Projeto de Segurança de Ipanema será, SEGUNDA FEIRA, dia 10//03 às 18hs. no Colégio Notre Dame .

               
    PAUTA


    .


     - Segurança no bairro – marcar reunião com o comandante do 23º. BPM, secretário Beltrame e vice governador Pezão

    - carnaval – ação popular – Ministério Público ou ambos pela melhoria do carnaval em Ipanema

    Regularização do Cantagalo – novo apoio da Igreja Católica

    ACESSE O NOSSO BLOG – WWW.PSIPANEMA.BLOGSPOT.COM

    PROJETODEIPANEMA@gmail.COM.

    ENTRE NO FACEBOOK  E INDIQUE NOVOS AMIGOS -  PSI IPANEMA

    Twitter: @psi_seguipanema

    HTTP//WWW.flickr.com/photos/psi ipanema

    DEDIC – 14ª. DP – 23322866/ 23322880

    DISQUE DENÚNCIA – 22531177