domingo, 31 de março de 2013

ASSALTO FRUSTRADO


PM frustra tentativa de assalto a apartamento no Arpoador

  • Os dois homens flagrados na ação são moradores de Copacabana e estavam num Citroen C4

RENATA LEITE (EMAIL·


Na delegacia, policial militar conduz Pedro e Willian, flagrados tentando assaltar um apartamento no Arpoador
Foto: Marcelo Piu / Agência O Globo
Na delegacia, policial militar conduz Pedro e Willian, flagrados tentando assaltar um apartamento no Arpoador Marcelo Piu / Agência O Globo
RIO — Dois moradores de Copacabana, na Zona Sul do Rio, foram flagrados tentando assaltar um apartamento de luxo no Arpoador, em Ipanema, na noite deste sábado. Policiais do 23º BPM (Central de Flagrantes) frustraram a ação da dupla, no momento em que deixava o prédio.
Aproveitando uma falha na segurança, dois homens desarmados conseguiram entrar, sem serem percebidos, no edifício localizado na Rua Francisco Otaviano 142. Munidos de equipamentos próprios para arrombar fechaduras, ingressaram num apartamento vazio. O filho de um dos porteiros do prédio suspeitou da movimentação no andar e acionou PMs responsáveis pelo policiamento na região do Arpoador.
Pedro Fischer Sobral de Sousa, de 26 anos, e Willian de Sousa Lemos, de 40 anos, foram surpreendidos e imobilizados no momento em que saíam do prédio. Na mochila deles, foi encontrada a maçaneta da porta arrombada e celulares. Uma televisão também estava embalada dentro do apartamento, o que demonstra que a dupla tinha intenção de levá-la. Na porta do prédio, os dois suspeitos deixaram um Citroen C4 estacionado, pronto para a fuga.
O carro não é roubado e está no nome do pai de Pedro. Os dois acusados estavam bem vestidos e moram em Copacabana. Pedro vive na Rua Santa Clara, e Willian, na Rua Carvalho de Mendonça. Os dois têm passagens pela polícia. Pedro já foi preso por furto a residência, em 2008, e por roubo em condomínio, em 2005. Willian, por sua vez, acumula oito passagens pela polícia, por lesão furto e roubo.
Os dois foram autuados por tentativa de furto. O caso foi registrado na 14ª DP (Central de Flagrantes).

sábado, 23 de março de 2013

MALANDRAGEM


Gerentes de banco em Ipanema (RJ) são suspeitos por golpe em idoso de 85 anos


Um golpista usou o nome do empresário de 85 anos para contrair três empréstimos altos no nome dele em um banco em Ipanema, na zona sul do Rio. No entanto, na mesma época, a vítima estava nos Estados Unidos passando por uma cirurgia. Os dois gerentes são suspeitos.

AS RUAS DO RIO




Rua Gorceix, Ipanema

17 março 2013 | 2 comentários
Bem-vindo à Rua Gorceix, a charmosa via de Ipanema que poucos conhecem

Colada ao Cantagalo. A Rua Gorceix fica entre as ruas Alberto de Campos e Almirante Saddock de Sá, na zona sul.
por Pedro Paulo Bastos
Nascido em 1842, Claude Henri Gorceix era francês de Saint-Denis des Murs e bacharel em Ciências Físicas e Matemáticas pela Escola Normal Superior de Paris. Veio para o Brasil em 1874, como professor de geologia, mineralogia, física e química, tendo falecido em 1919. Sua relação com Ipanema, na zona sul do Rio, não se sabe muito bem com exceção de uma: a de emprestar seu sobrenome a uma das simpáticas ruas do bairro.
Não só pelo nome pomposo diante de certo fetiche que grande parte dos brasileiros tem por sobrenomes estrangeiros, a Rua Gorceix se diferencia de muitas outras ruas da cidade por dois motivos: em primeiro lugar, numa macroescala, está localizada na região mais cobiçada do Rio; em segundo, numa microescala, está situada em posição ainda mais privilegiada no contexto da própria região cobiçada em que se insere. Ipanema é um bairro de vias longas e essenciais para escoar o trânsito entre o Leblon, a oeste, a Lagoa, ao norte, Copacabana, a leste, e a praia, ao sul. A Gorceix, então, contrariando essa organização espacial, é uma figura pequenina no mapa, colada ao Morro do Cantagalo, no fim das ruas Alberto de Campos e Almirante Saddock de Sá. Completamente residencial. Nada de carros, nada de buzinas. Saiam pra lá!

“Numa microescala, [a Rua Gorceix] está situada em posição ainda mais privilegiada no contexto da própria região cobiçada em que se insere”

 

Mesmo com a baixa rotatividade de automóveis pela rua, um suspiro – ou uma crítica – não poderia passar em branco. O emparelhamento de carros estacionados é excessivo. Pode soar ingênuo da minha parte fazer este tipo de observação, ou até mesmo estar reclamando de uma situação complicada de ser revertida, que é a questão do transporte. Infelizmente a quantidade de carros pelas ruas, em movimento ou não, é absurda. Mesmo as ruas mais tranquilas e aconchegantes, como a Gorceix, são vítimas deste mal. Não pude deixar de imaginar como seria a Gorceix sem os carros, com o desenho das calçadas livre ao campo visual. Os jardins à mostra, a facilidade de locomoção do pedestre e dos carrinhos de bebê, o contorno da esquina possível de ser visto através de um ponto equidistante…

Alberto de Campos. Os prédios luxuosos na esquina com a Alberto de Campos
. Na outra ponta, este aspecto se inverte.

Gorceix. O edifício antigo azul e branco se destaca na rua pelo estilo simpático. Ao lado, detalhe das flores diminutas.

Saddock de Sá. No término da Rua Gorceix, as casas são mais comuns do que os prédios inicialmente mostrados. A arborização é mais intensa, com galhos longos que ajudam a formar um teto de folhas e sombras para os pedestres.
Os edifícios da Rua Gorceix são bonitos e luxuosos, embora não tenham nenhum diferencial que possa qualificar a rua como pitoresca ou algum adjetivo sinônimo. Levo em consideração que, em geral, essas ruas pequenininhas são sempre mais divertidas em termos de arquitetura do que as de mais movimento. Elas têm um caráter natural de ”cantinho”. O grande atrativo mesmo de lá é a preservação de algumas casas ainda habitadas por famílias, o que é coisa rara na zona sul. Se o leitor for caminhar pela Rua Nascimento Silva ou pela Rua Redentor, decerto se deparará com imóveis deste tipo, mas a maioria (se não todos) destinados a usos comerciais. Na Rua Gorceix, as casas têm aquele jeito singelo, de pouca imponência, onde o luxo é justamente essa simplicidade com uma leve pitada vintage. Seria injusto não citar o pequeno edifício do número 14, que mais parece uma casa de boneca com seus azulejos imitando losangos entre as janelas de madeira azulada com varandinhas na mesma cor.
Observei um número considerável de ciclistas passando pela Rua Gorceix nessa manhã de sábado. Eles vêm da Alberto de Campos, viram à esquerda na Gorceix e seguem de novo à esquerda pela Rua Almirante Saddock de Sá. Como a Gorceix liga nada a lugar nenhum – isto é, não é via de escape –, interpeto que passem ali apenas pelo prazer de se estar em um recanto de Ipanema longe da Ipanema midiática e dos turistas, que é cheia de bares e cafés da moda e de idiomas em conflito a cada conversa emitida aos ventos. É como numa ligação cruzada; ouve-se de tudo, porém entende-se muito pouco.
Na esquina com a Rua Almirante Saddock de Sá, a calçada estava úmida e cheirava a sabão em pó. Um pouco de água escorria pelo meio-fio sob a sombra das suntuosas árvores da rua vizinha. O cheiro de limpeza é sempre confortante. Ao longo da Gorceix, no entanto, não tenho como afirmar se era pela velocidade em que as bicicletas andavam por ali, distinta a do ritmo do pedestre, ou se isso emanava do próprio pedestre – só sei que a Rua Gorceix cheirava a filtro solar. Aquele tipo de fragrância gostosa de respirar, que nos remete a saúde, vida, natureza. Numa localização esplendorosa como essa, não me restam dúvidas de que a energia da Rua Gorceix é das melhores. 

quinta-feira, 21 de março de 2013

PRAÇA NOSSA SENHORA DA PAZ


Ignez

: RJTV - primeira edicao




ATA



Reunião PSI – Colégio Notre Dame – Ipanema – 18/03/13

. Ação Cautelar no TJ-RJ: andamento, estratégias e perspectivas;

      O desenrolar da ação  continua no mesmo impasse. O Tribunal de Justiça não aceitou os embargos que objetivavam a interrupção das obras.
      Foi dada entrada na 2ª Ação Cautelar, estamos aguardando o pronunciamento do Juiz, que já nomeou outro perito que poderá ter valor diferente.
      Houve encaminhamento de um recurso alegando a derrubada de árvores, desrespeitando a 1ª liminar.
      O atual objetivo está sendo voltado para a possibilidade de que a citada Ação seja encaminhada para Brasília para ser julgada.
      Também foi feito um pedido de redução do valor da perícia designada na primeira Ação, porém, ainda não se obteve nenhuma posição a respeito.

      Um voluntário do PSI, depois de fazer contato com integrantes da equipe das obras do Metrô na Praça N. S. da Paz, através  do “stand” montado no local, foi procurado por um dos   engenheiros, se propondo a ouvir nossa opinião e responder às nossas perguntas. Este engenheiro foi então convidado a participar da reunião do PSI ( 18/03) para prestar esclarecimentos aos participantes do movimento. Como não pode comparecer, o convite foi estendido para a próxima reunião, dia 08/04.

      Quanto ao total de recursos financeiros:
- coletamos nas ações de rua o total de R$ 17.536,00, gastamos R$3800,00 com  xerox, cópias, reconhecimento de firma, transporte, custas judiciais etc. R$ 3800,00 de modo que temos disponível R$ 13735, que será usado para ajudar o pagamento da perícia e continuar financiando o prosseguimento desta ação..
. Como o valor apresentado pela perícia, é totalmente discutível- R$ 158.000,00 - já foi entrado um pedido de redução e parcelamento do mesmo. Estamos aguardando uma posição do judiciário para se decidir como será a próxima coleta de recurso para esta finalidade.


Audiência Pública sobre a ocupação das praias da Zona Sul :


      Dia 22/03, será realizada uma Audiência Pública na Assembléia Legislativa do Rio de Janeiro, sobre a balneabilidade das praias cariocas. Foi uma iniciativa proposta pela deputada Aspásia Camargo, com a participação e apoio do Projeto de Segurança de Ipanema,do Pólo Gastronômico de Ipanema,do Quadrilátero do Charme de Ipanema, moradores, presidentes das Associações de bairros da orla, representantes da Associação Comercial, Associação dos Comerciantes da Praia – Ascolpra -  e interessados. Serão apresentados projetos com a finalidade de diminuir a ocupação irregular e contaminação das areias das praias, assim como a poluição visual e estética que está “tomando conta” da nossa beleza natural.

Ata elaborada por Sylma

POSTO SEIS EDITORA



O furto aconteceu por volta de 12h e foi flagrado por pedestres e banhistas, que deram o alarde, chamando guardas municipais que estavam em patrulhamento na areia da praia.

Ao perceber a aproximação dos guardas, os menores fugiram na própria bicicleta. Outros guardas que patrulhavam outros pontos da praia foram acionados e abordaram os menores em frente à Rua Maria Quitéria. Eles tentaram fugir novamente, abandonando o alicate de corte na rua, mas foram alcançados.

Os dois foram encaminhados para a 14ª DP (Leblon), onde o caso foi registrado como ato infracional análogo ao furto (artigo 155 do Código Penal). Como o proprietário da bicicleta não foi identificado, o veículo ficou guardado na delegacia à espera do dono.

segunda-feira, 18 de março de 2013

OLIMPÍADAS CHEGANDO !


Herói olímpico britânico é assaltado na praia de Ipanema, diz jornal inglês

Steve Redgrave estava no Brasil onde participava da entrega do prêmio Laureus

Do R7 | 17/03/2013 às 18h38
Considerado herói olímpico pelos britânicos, sir Steve Redgrave, de 50 anos, foi assaltado quando passeava com sua mulher na praia de Ipanema, zona sul do Rio de Janeiro. O crime aconteceu na semana passada, quando Redgrave participava da entrega do prêmio Laureus, conhecido como o “Oscar do Esporte”.
Na última sexta-feira (15), Redgrave confirmou o roubo para o jornal inglês Daily Mail, mas preferiu não entrar em detalhes sobre o incidente. O ex-remador chegou a registrar boletim de ocorrência em uma delegacia do Rio de Janeiro, onde, segundo o jornal britânico, informou que teve dinheiro e relógios roubados e que, apesar do susto, não ficaram feridos.
Com cinco medalhas de ouro, Redgrave é o maior recordista masculino de remo da história da Olimpíada.

sábado, 16 de março de 2013

GASTRONOMIA


Em plena Ipanema, no Rio de Janeiro, o wine bar La Botella, de Enrique Thiengo, evoca as tradicionais casas de vinho da Europa. E, por mais inusitado que pareça, tem dado certo. Lá se vão 12 anos desde a inauguração da casa. “Numa cidade onde a cultura de vinho apenas estava começando, inaugurar o La Botella em 2001 foi arriscado, mas valeu a pena nosso pioneirismo”, diz Enrique, que comemora o 12º aniversário com novo cardápio.

Sim, porque, nem só de vinho vive La Botella, afinal, a inspiração do dono foram os cafés, bistrôs e bares de tapas que vendem, além de vinhos, bebidas diversas, sanduíches e pratos com comidinhas simples e bem elaboradas, servidas em pequenas porções.

Entre os novos itens estão os sanduíches de pastrami com berinjela, queijo parmesão, alface e tomate (R$ 18,90), de presunto royale com alface, tomate seco e queijo gruyére (R$ 18,90) e de salmão defumado, com alface, cebolas, alcaparras e molho de raiz forte no pão preto (R$ 29).

Para breliscar, tem o brie gratinado servido com geleia de damascos e castanhas (R$ 30), raclete de viande de Grison, acompanhado de batatinhas portuguesas em conserva (R$ 30) e a polentinha surpresa, recheada com queijos gorgonzola e brie (R$ 28).
O wine bar, que dispõe de mais de 600 rótulos de vinhos do mundo inteiro e destilados, tem também a chacurterie, cantinho que reúne frios especiais, pastinhas feitas na casa e queijos que o freguês pode levar para casa. “Somos uma espécie de deli e bistrô, uma conveniência-chique. Queremos que as pessoas se sintam à vontade para comprar nossos produtos para viagem ou degustar lá mesmo”, afirma Enrique.
La Botella
Rua Paul Redfern,72 – Ipanema.
Tel.: (21) 2512-8614
De segunda a sexta-feira, das 10h às 22h. e aos sábados, das 10h às 19h

sexta-feira, 15 de março de 2013

CONVOCAÇÃO !

CONVOCAÇÃO A TODOS OS MORADORES E CARIOCAS :

Produção do RJ-TV me ligou hoje, e farão REPORTAGEM DO DOMINGO AS 13:00 HRS NA PRAÇA..SOBRE A DESTRUIÇÃO DA PRAÇA !!! sobre a retirada das árvores, perícia e sobre a falta de transparência de todo este processo. A repórter me disse que pediu ao Governo do Estado para que mostrem à equipe do RJ-TV quais foram as árvores retiradas, como foi tudo feito e que os levassem também ao lugar onde elas estariam sendo “ replantadas” à espera do término da obra. O Governo ainda não tinha atendido à solicitação .
Por favor, precisamos de ter um grupo grande !!! VAMOS TODOS QUE AMAM IPANEMA..A PRAÇA NS PAZ..E O RIO DE JANEIRO..E SUA NATUREZA QUE ESTÁ SENDO DESTRUIDA PELA GANÂNCIA DE POLÍTICOS QUE NÃO ANDAM DE METRÔ !!!!!!!!!!!

Ignez

MAIS BURACOS

HENRIQUE DUMOMD COM VISCONDE

foto de Marilia

REUNIÃO




            A próxima reunião do Projeto de Segurança de Ipanema será, SEGUNDA FEIRA,  dia 18/03 às 18hs. no Colégio Notre Dame .

           
PAUTA

Ação no TJ-RJ –andamento,  estratégias futuras e perspectivas

Total de recursos disponíveis - Sylma


Audiência pública sobre a ocupação  das praias da Zona Sul – Ipanema

ACESSE O NOSSO BLOG – WWW.PSIPANEMA.BLOGSPOT.COM

PROJETODEIPANEMA@gmail.COM.

ENTRE NO FACEBOOK  E INDIQUE NOVOS AMIGOS -  PSI IPANEMA

Twitter: @psi_seguipanema

HTTP//WWW.flickr.com/photos/psi ipanema

DEDIC – 14ª. DP – 23322866/ 23322880

DISQUE DENÚNCIA – 22531177


NAS TELAS


Vendedores ambulantes da Praia de Ipanema nas telas

  • Do ‘Hare Burguer’ ao mate de galão, o diretor paulistano Joaquim de Castro produz curta-metragem documental sobre a atividade
CATHARINA WREDE (·

De sol a sol. “Bom dia, Ipanema” reúne depoimentos de 15 profissionais da praia, como Marcelo, do mate de galão
Foto: Divulgação
De sol a sol. “Bom dia, Ipanema” reúne depoimentos de 15 profissionais da praia, como Marcelo, do mate de galão Divulgação
RIO — Os vendedores ambulantes labutam de sol a sol na praia de Ipanema desde que Leila Diniz causou furor ao aparecer grávida de biquíni em pleno Posto 9, nos anos 1960, mas o mérito de ter registrado a peregrinação escaldante dos profissionais da faixa de areia — e suas sofisticadas estratégias de venda — é de um paulistano. Mais precisamente de Joaquim de Castro. Sócio da produtora Na Laje Filmes, o diretor documentou, no ainda inédito curta-metragem “Bom dia, Ipanema”, a história e a rotina de 15 trabalhadores que ganham o pão onde a maioria dos cariocas se alimenta de Biscoito Globo.
— O que me chamou a atenção, fora a extroversão dos vendedores, foram duas características interessantes: o marketing próprio, a forma que eles encontraram de se destacar naquela praia tão concorrida; e o caráter empreendedor — explica Joaquim, 31 anos de praia no currículo. — Acho muito fácil sair de casa e pensar: vou vender açaí, mate, mas eles são verdadeiros guerreiros que vivem debaixo do sol vendendo alegria. Queria ver, se os personagens da Disney estivessem sob aquele sol, se estariam acenando o bracinho.
Frequentador assíduo do Posto 9 e arredores de 2006 a 2012 — período em que cursou a Escola de Cinema Darcy Ribeiro concomitantemente com a faculdade de psicologia na PUC-Rio —, Joaquim se viu desestimulado com a breve carreira de ator que pensou seguir quando veio morar no Rio. Foi refletindo num fim de tarde em Ipanema, mate de galão em punho, que o diretor decidiu produzir o filme e as entrevistas.
Não foi fácil. Por incrível que pareça, o curta de 15 minutos precisou de um ano para ser feito. Acostumado com a velocidade frenética da Av. Paulista, Joaquim precisou se curvar ao raciocínio lógico carioca: vendedor ambulante só sai de casa para trabalhar quando dá praia. E só dá praia quando faz sol.
— O filme foi rodado em doses homeopáticas, não adiantava forçar a barra. Esse foi o maior desafio. Mas todos eles foram muito disponíveis — sublinha.
Por “todos eles” entendem-se 15 profissionais dos mais sortidos quitutes praianos. Desde o rapaz do intergaláctico “Hare Burguer”, Rafael (“que não tem nada de alucinado ou maluquete, é um garoto super esperto”, garante Joaquim) até o modesto Mário, criador da “melhor mousse do Rio de Janeiro”, segundo o próprio slogan, passando pelo Marcelo, do onipresente mate de galão.
Com lançamento previsto para meados de abril, “Bom dia, Ipanema” — que ainda está sendo finalizado — vai percorrer o circuito de festivais brasileiros e internacionais, como garante o diretor. É por isso que, por enquanto, YouTube nem pensar.
— Alguns festivais exigem que o filme não vá para a internet antes de concorrer.
O documentário é o segundo filme de Joaquim. O paulistano estreou na direção em “Cuidado ao atravessar a rua” (2009), curta de ficção cuja história gira em torno de um jovem que descobre que seu pai biológico — que ele nunca conheceu — vai tocar como DJ em uma festa na praia (ela de novo).
De volta a São Paulo por conta da produtora e da pós-graduação em psicologia na USP com ênfase em sexualidade — tema em que Joaquim se diz muito interessado —, ele ainda não sabe quando retoma seu lugar ao sol em Ipanema.
— Mas é claro que quero voltar. Louco é quem diz que não gostaria de morar no Rio.




quinta-feira, 14 de março de 2013

PRAÇA DA PAZ





Rio, 15/03/2013

Seguem os últimos movimentos relativos à ação judicial sociedade x Governo do Estado e Concessionária Rio Barra a respeito das obras para a construção de metrô N. Sra. da Paz.

Dia 25/03 o juiz da 3a. Vara de Fazenda Pública nos deu uma liminar onde garante o direito da população à perícia judicial para definir se o método proposto por nós ( subterrâneo), preservando desta forma o patrimônio ambiental, histórico, cultural, social, pilar da sustentabilidade de nosso bairro e seu pulmão , seria viável ou não. A liminar não se refere à paralisação ou não das obras. Entramos com recurso pedindo que  juiz se manifeste a este respeito.

Dia 4/03 – Foi julgado o agravo regimental proposto pela nossa advogada Dra. Regina Carquejo pedindo o restabelecimento integral da primeira liminar que pedia a paralisação das obras assim como a perícia judicial. Nós entramos com este agravo por verificarmos que como o governo tinha conseguido autorização para a continuação das obras, ele aproveitando este gancho resolve ignorar completamente que a perícia também está mantida, e começa a destruição da praça, cortando as árvores e, impedido desta forma que uma decisão judicial ( perícia) se realize.O órgão Especial do TJ-RJ por unanimidade recusou o nosso agravo e manteve a decisão anterior de autorização para a continuação das obras, assim como a manutenção da perícia.

A juíza da 14ª Vara ainda não se pronunciou a respeito do nosso pedido de redução dos custos da perícia ( R$ 158.000,00 )  e seu parcelamento.

A decisão do grupo, de acordo com a proposta de nossa advogada, é de continuar fazendo uso de todos os recursos disponíveis para nós.
É claro que é muito triste ver a nossa praça sendo destruída e sem necessidade, pois se a obra fosse feita de acordo com as nossas sugestões não haveria necessidade de se tirar uma só folha de árvore. É pelo nosso patrimônio tombado, ambiental, social, histórico, cultural, pilar da sustentabilidade e pulmão do nosso bairro, que estamos lutando ferozmente.
Um abraço,
Ignez

quarta-feira, 13 de março de 2013

VAZAMENTO



Motoristas devem ter cuidado com buracos em Ipanema, Zona Sul do Rio

Vazamento de água abriu buracos na Rua Redentor.
No cruzamento com a Rua Aníbal de Mendonça há outra cratera na rua.


Um vazamento de água provocou um buraco em Ipanema, na Zona Sul do Rio. O problema acontece na Rua Redentor, na altura da Rua Garcia D’Ávila.
Em outro ponto, no cruzamento com a Rua Aníbal de Mendonça, existe outro buraco, que está cercado por uma tela de proteção. Motoristas que passam pelo local devem dirigir com cuidado, pois parte da via está interditada.
tópicos:

terça-feira, 12 de março de 2013

LAGOA


Lagoa Rodrigo de Freitas sofre mortandade de peixes

  • Chuvas que atingiram a cidade nos últimos dias seriam a causa

DIEGO BARRETO (EMAIL

Funcionários da Comlurb e da Rio Águas retiram os peixes mortos da Lagoa Rodrigo de Freitas
Foto: Marcelo Carnaval / O Globo
Funcionários da Comlurb e da Rio Águas retiram os peixes mortos da Lagoa Rodrigo de Freitas Marcelo Carnaval / O Globo
RIO - As forte chuva que atingiu o Rio na madrugada de segunda-feira provocaram a mortandade de peixes na Lagoa Rodrigo de Freitas. Nesta terça-feira equipes da Secretaria Municipal de Meio Ambiente (SMAC), da Rio Águas e da Comlurb passaram o dia no local recolhendo os animais mortos.
De acordo com a SMAC as chuvas intensas dos últimos dias levaram uma grande quantidade de matéria orgânica para a Lagoa. Essa matéria, em decomposição, absorve o oxigênio dissolvido que mantém a vida aquática afetando os peixes. As espécies de peixes encontradas na Lagoa nesta terça-feira foram Majubinhas, Savelhas e Acarás, que são consideradas mais frágeis.
O recolhimento dos peixes mortos está sendo feito por 12 garis com o apoio de três catamarãs.


GENTE PODRE












DESTRUIÇÃO


Rio

Árvores vão abaixo na Nossa Senhora da Paz e assustam passantes

"Nós moradores queríamos a preservação da praça, o que não está ocorrendo", lamenta Sonia Castrioto

Jornal do BrasilCaio Lima*
A derrubada de árvores na Praça Nossa Senhora da Paz, em Ipanema, por conta das obras da Linha 4 do metrô, continua tirando o sossego e até assustando moradores, trabalhadores e pessoas que passam pelo local. Nesta segunda-feira (11), pelo menos três árvores foram abaixo.
“Estava saindo da Casa e Vídeo (que fica em frente à praça, na Avenida Visconde Pirajá) e tomei um susto com a árvore sendo cortada do nada. É um absurdo porque estão tirando muito mais árvore do que foi dito na apresentação do projeto. O que nós moradores do bairro queríamos é a preservação da praça, o que não está ocorrendo. Não há necessidade de uma estação imensa”, afirmou a design de objetos e moradora do bairro, Sonia Castrioto.

2 / 13
A derrubada de árvores nesta segunda-feira (11), por conta das obras da Linha 4 do metrô, assustou pessoas que transitavam pelo local Fotos: Vítor Silva / Jornal do Brasil
De acordo com a agente de turismo Wania Carvalho, que trabalha em um dos prédios ao redor da Nossa Senhora da Paz, “é derrubada uma árvore por dia, em média”.
“Se não é diariamente, eles cortam quatro em um dia e ficam uns quatro ou cinco dias sem cortar. Mas isso é consequência. O problema é que não precisava de metrô aqui, mas já que é para fazer, que fosse bem feito, com preservação. Tenho história e fotos na praça desde a infância e, quando a olhei pela primeira vez após o início das obras, fiquei chocada”, criticou Wania.
Segundo a design, moradores de Ipanema, componentes do grupo Projeto de Segurança Ipanema, estão arrecadando dinheiro para contratar um perito para saber se as retiradas das árvores são, de fato, necessárias.
“Não podem cortar nada sem o aval do perito da obra. Mas o perito está do lado deles. Por isso estamos nos unindo para contratar um de fora da concessionária. Com uma sacola plástica, foram arrecadados R$ 10 mil em apenas um dia”, disse ela.
Liminar na Justiça
Ainda de acordo com Wania, existiria uma liminar na Justiça que impede a derrubada de árvores no local. O Jornal do Brasil tentou entrar em contato com a advogada que representa os interesses do grupo Projeto de Segurança Ipanema para saber mais detalhes do assunto, mas as chamadas não foram atendidas.
Outra que se assustou com a derrubada das árvores foi a dona de casa Maria da Conceição, que caminhava para buscar o filho na escola, durante a ação dos operários.
“Realmente assustador. Você passa pela calçada e, de repente, galhos e troncos vão abaixo. Na hora do corte, tinha uma fita isolando uma parte da calçada, prejudicando quem passava pelo local. Outro fator negativo dessa obra é o bafo quente na praça sem as árvores, o que não é bom para as crianças” afirmou a dona de casa.
Segundo outro morador, o jornalista Gilberto Menezes Côrtes, a desvastação chegou ao ponto de acabar com a sombra na calçada da praça, no trecho entre a Joana Angélica e o portão central da rua Barão da Torre. "Tudo porque as dezenas de Figueiras da Índia que dão sombra em volta da praça estão sendo atacadas por uma praga que pode dizimá-las. É uma espécie de musgo que vai asfixiando os brotos das árvores, provocando a queda dos galhos podres. O estrago maior é justamente no trecho devastado do interior da praça. Quem circula ao redor da praça deve fazê-lo com cuidado: muitos galhos mortos estão caindo com o peso da água das chuvas recentes sobre o bolo de troncos podres e musgo", recomenda.