MENOS OBSTÁCULOS




Menos obstáculos

Prefeitura determina retirada de mais 400 fradinhos na Zona Sul


Célia Costa (celia@oglobo.com.br)


RIO - Criticados por motoristas que insistem em estacionar sobre as calçadas e também por cadeirantes e deficientes visuais, os fradinhos - barreiras de concreto ou ferro - passaram a ser um atentado à estética urbanística da cidade. Por isso, em um ano da "Operação Antifradinho" da Secretaria de Conservação e Serviços Públicos já foram retirados três mil obstáculos, a maioria na Zona Sul. Ontem, em mais uma etapa, a prefeitura retirou as estruturas do entorno do Parque Peter Pan, em Copacabana. Outros 400 terão que ser removidos das ruas Barata Ribeiro, Raul Pompeia e Prudente de Morais, além da Avenida General San Martin. Condomínios e estabelecimentos terão 30 dias para cumprir a determinação.


Moradores de Copacabana demonstram preocupação com a operação de retirada dos fradinhos. O presidente da Sociedade Amigos de Copacabana, Horácio Magalhães Gomes, enviou um ofício à Secretaria, no qual expôs a preocupação com a invasão das calçadas por motoristas. Segundo ele, Copacabana tem um déficit de guardas municipais.

- Nós somos contra a retirada pura e simples, mas a prefeitura garante que a operação seguirá critérios - disse Horácio Gomes.

O secretário de Conservação, Carlos Roberto Osório, reforçou que serão retirados apenas os fradinhos das vias de grande movimento de pedestres. E que a fiscalização será intensificada. Nas vias internas de Copacabana os obstáculos serão mantidos. Em uma segunda etapa, os fradinhos - alguns deles instalados irregularmente - terão que ser padronizados. Segundo Osório, há casos absurdos pela cidade. Um quarteirão da Rua São Clemente, por exemplo, contabiliza seis tipos de estruturas diferentes.

A primeira etapa do "Operação Antifradinho", que teve início em julho de 2010, consistiu na retirada dos fradinhos da orla marítima do Rio. Do Flamengo ao Recreio dos Bandeirantes, 1.502 foram removidos em seis meses de operação. A etapa seguinte foi na orla da Lagoa Rodrigo de Freitas, concluída em julho com a retirada de 768.

A atual fase da operação consiste na retirada de fradinhos de praças públicas e de áreas de interesse histórico. O trabalho está sendo feito nas praças Santos Dumont, na Gávea; General Osório, em Ipanema; e na região do Centro, onde já foram retirados mais de 700 obstáculos. A operação seguirá para a Candelária, onde serão retirados 150 fradinhos

Um comentário:

André disse...

Que pena saber que alem de deficientes também são burros, preferem um carro no caminho do que um inofensivo frade que estará sempre no mesmo lugar e nunca no meio da calçada ocupando todo espaço, cadeirante tem que reclamar da falta de rampas nas calçadas que é obrigação da prefeitura, pois no meio fio não podemos mexer