MULTAS


Eduardo Paes quer que guardas multem quem emporcalhar a cidade


Prefeito, que lançou novo site, estuda até dar bônus a agentes que ‘canetarem’ sujões

Rio - Cariocas que têm a feia mania de sujar as ruas do Rio, tremei! O prefeito Eduardo Paes está de olho nos porcalhões e pretende botar a Guarda Municipal para multar aqueles que insistirem no hábito. A ideia foi lançada pelo prefeito, ontem, durante inauguração de suas páginas nas redes sociais e do site do Palácio da Cidade, onde vai interagir diariamente com os moradores do município. “Cada vez me impressiona mais como as pessoas jogam lixo nas ruas. A guarda tem que passar a multar”, ‘twittou’ Paes, diretamente de Bangu, às 14h30 do último sábado.

.
Paes estreia nas redes sociais da Internet, como Twitter e Facebook.MEDIDA EM ESTUDO

Ontem, ele afirmou que para incentivar os guardas na tarefa a prefeitura pode oferecer até mesmo gratificações para os que mais ‘canetarem’. “Confesso que não sei como botar isso em prática, mas podemos premiar os guardas que fizerem isso. Eles podem conduzir as pessoas que sujam as ruas à delegacia, fica aqui a reflexão”.

O prefeito também tem perfis no Facebook, MySpace, BCyou e Orkut, todas redes de relacionamento na Internet. Até a noite de ontem, porém, ele não era muito popular. No Orkut, por exemplo, Paes tinha apenas 15 ‘amigos’ e um recado. No Twitter, eram 79 seguidores, mas o prefeito atualizou apenas três vezes a página. Em compensação, um dos ‘fakes’ (perfis falsos) de Paes no site tem 322 seguidores.

Quem quiser ‘seguir’ o prefeito nas redes virtuais basta procurar os perfis no novo site:

METRÔ

Cabral diz que Linha 1A do Metrô será entregue em dezembro

O Globo

RIO - O governador do Rio de Janeiro, Sérgio Cabral, anunciou nesta segunda-feira, durante viagem à China, que a Linha 1A do Metrô (Central - Botafogo) será entregue em dezembro deste ano, três meses antes do último prazo divulgado (março). Com a nova linha, o usuário não precisará mais fazer baldeação na estação do Estácio. Além disso, será reduzido o intervalo entre trens de 4 minutos para apenas 2 minutos neste trecho. A inauguração da estação General Osório também está prevista para dezembro.

Cabral assinou, na cidade de Changchum, junto com o presidente do Metrô Rio, José Gustavo de Souza Costa, um contrato com a empresa Changchum Railway Vehicles (CNR) para a compra de 19 trens (114 carros). Eles aumentarão a frota em 63%. O primeiro trem começará a operar no Rio em novembro de 2010. Ao longo de 2011, chegarão os outros. Os novos carros serão usados na Linha 2 (Pavuna-Estácio), ampliando a capacidade de atendimento para mais 250 mil passageiros por dia.

- Quem mora na Pavuna e quer chegar ao centro da cidade demora hoje 50 minutos, porque tem que fazer transbordo em Estácio, o que é extremamente complicado. Com esses investimentos, serão economizados 13 minutos na mesma viagem, que poderá ser feita em 37 minutos - afirmou o presidente do Metrô Rio, José Gustavo de Souza Costa.

Os 19 trens comprados são resultado da renovação da concessão ao Metrô Rio, ocorrida no fim de 2007. Na ocasião, a concessionária assumiu parte dos investimentos que anteriormente eram de obrigação do estado. Segundo a gerente de Relações Institucionais e Governamentais da empresa, Rosa Cassar, a aquisição dos trens e a obra da Linha 1A permitirão dobrar o número de passageiros, passando de 550 mil por dia para mais de 1,1 milhão.

Segundo a concessionária, 85% dos passageiros da linha 2 fazem a transferência no Estácio e seguem em direção à Zona Sul - sendo que 78% têm como destino as estações até Botafogo. A empresa informou ainda que as composições vão parar em Botafogo, onde há área adequada para manobras.

O governo do estado encomendou na China mais de R$ 500 milhões em novos trens para o Metrô Rio e para a Supervia.

CRÔNICA

UMA BELA PORCARIA MUNDIAL

(Autor: Antonio Brás Constante)

O mundo anda infestado de epidemias, entre elas podemos citar a epidemia dos noticiários sobre epidemias, as epidemias de violência e desrespeito de adolescentes contra professores, isso sem falar das epidemias que se concentram em regiões especificas, como a atual epidemia de filhos presidenciais que andam se proliferando no Paraguai. Aliás, se o presidente do Paraguai fosse um dedo, provavelmente seria aquele conhecido pela alcunha de “pai de todos”.

A histeria sobre a febre suína é tanta que até pessoas do signo de porco, no horóscopo chinês, podem acabar virando alvo de perseguições sem sentido. Em alguns lugares devem até chegar a proibir a exibição do filme: Baby, o porquinho atrapalhado. Já existem relatos de mães que andam evitando colocar seus filhos dentro dos chamados chiqueirinhos, com medo de contágios. Isto sem falar no vandalismo contra lojas de ferragens, local reconhecidamente repleto de porcas de todos os tamanhos e tipos.

Comer carne de porco até pode, mas tente não pegar o mesmo elevador que eles. Ao contrário da administração onde é importante manter o foco sempre presente, no caso das epidemias devemos evitar qualquer tipo de foco a todo custo. Até ditados antigos tais como: “agora é que a porca torce o rabo”, estão sendo atualizados para algo como: “Cuidado quando a porca tosse para o seu lado”.

Visando impedir ataques animalescos aos pobres suínos, resolveu-se trocar a denominação da moléstia para A(H1N1), deixando o nome parecido com uma placa de carro, já que presumivelmente as pessoas preferem atacar um porco indefeso a estragar um veículo emplacado. Tudo isto anda se mostrando uma bela porcaria.

A história é recheada de epidemias, a primeira foi a do pecado, que era transmitida via fruto proibido, e conforme relatos sobre o assunto, acabou contaminando 100% dos habitantes do paraíso (aproximadamente duas pessoas). O fato foi tão grave que culminou na expulsão de Adão e Eva para uma área de contenção chamada de planeta Terra, onde a epidemia se alastrou junto com a humanidade. Podemos considerar que o pecado é a doença mais antiga de toda nossa existência.

O medo maior é que as epidemias se juntem, criando novas doenças do tipo: a dengue suína, ou pior ainda, a gripe do porquinho amarelinho. Mas, com sorte poderiam surgir dessas junções, gripes benéficas, como a gripe política, por exemplo. Uma epidemia transmitida para qualquer indivíduo com falta de escrúpulos. O infectado passaria então a ter crises violentas de honestidade.

Infelizmente toda esta onde alarmante de alarmosas doenças acaba justamente desviando o foco de um dos piores (su)focos que enfrentamos, a epidemia de safadeza (corrupção, descaso, roubo, etc), que acontece não somente na política, mas em várias alas da sociedade. Uma doença que se alastra pelo mundo, sem que haja uma vacina conhecida. E a única coisa que ainda podemos fazer para contermos o seu avanço é termos a decência de não nos deixar contaminar.

E-mail: abrasc@terra.com.br

Site: recantodasletras.uol.com.br/autores/abrasc

PODA DAS ÁRVORES

Poda de árvores em Botafogo e Ipanema fecha meia pista de duas ruas

Rio - Ao longo desta semana, em Botafogo e Ipanema, será fechada meia pista das ruas Conde de Irajá e Farme de Amoedo, respectivamente, entre 7h e 17h, para serviços de poda de árvores realizados pela Comlurb.

Em Botafogo, a Rua Conde de Irajá será interditada da seguinte maneira: hoje e amanhã (29 e 30 de junho), entre as ruas Pinheiro Guimarães e Visconde de Caravelas; e na quarta-feira (1° de julho), da Visc. de Caravelas à Rua Voluntários da Pátria.

Em Ipanema, a Farme de Amoedo terá bloqueios hoje entre as ruas Alberto de Campos e Nascimento Silva, e amanhã da Nascimento Silva até a Rua Barão da Torre. Na quarta-feira, o trecho interditado será entre as ruas Visconde de Pirajá e Barão da Torre.

.

QUARTA-FEIRA

MÃO QUE PEDEM


Aartista plástica Fábia Schnoor espalha essas "mãos que pedem" quarta-feira pela Zona Sul e o centro."A idéia é causar o mesmo desconforto que os pedintes na rua",explica ela,que quer provocar reflexão."É uma forma das pessoas,que estão anestisiadas,voltarem a ver".As mãos farão a pessoa mudar o percurso,"assim como atravessamos a rua para evitar o pedinte".

ESTAMOS SEMPRE AVISANDO,MAS........


Enviado por Rafael Galdo


Reconhece o lugar desta foto?

Não, não é uma daquelas imagens antigas que você está acostumado a tentar descobrir onde fica aqui no Bairros.com. Aliás, é uma foto bem recente, da última sexta-feira à noite. E que lugar é esse, que a escuridão torna quase irreconhecível? A Praça General Osório, em Ipanema! Apenas dois postes da área de lazer tinham luzes acesas, por volta das 21h. No restante da General Osório, penumbra. E aí, o resultado: praça praticamente vazia e alguns moradores de rua ali por perto. Infelizmente, quem passa pelo local sabe que a conservação há tempos deixa a desejar. Até quando, prefeitura?

CRÔNICA

UMA FEIRA DE DOCES PARA ALIMENTAR O PENSAMENTO

(Autor: Antonio Brás Constante)

Todos os anos acontecem em diversas partes do mundo as chamadas feiras do livro. Essas feiras mais parecem feiras de quitutes de vários sabores, que atendem a todos os gostos dos leitores. São iguarias que alimentam o espírito e a mente, sem engordar.

As obras podem ser devoradas a qualquer momento e em qualquer lugar, em dias frios ou noites quentes e vice-versa. Os livros já vêm embalados em belas capas. Para consumi-los, basta adquirir um exemplar e sair provando seu recheio literário, sem se preocupar em sujar os dedos. Suas deliciosas páginas podem passar de mil folhas, fazendo alguns se perguntarem: “será que dou conta de ler tudo isso?”. São dúvidas que desaparecem, quando a magia da leitura acontece.

Cada livro é um doce diferente que guarda um gostinho cheio de novidades a espera de olhares ávidos pelos mistérios e encantos de suas páginas. Podemos degustar sem pressa, pois o livro não derrete, ao contrário, incendeia nossa imaginação à medida que vamos experimentando o sabor e o saber de suas histórias. A leitura transpassa os nossos olhos, invadindo nossas mentes e alterando nossas percepções sobre o mundo e sobre nós mesmos. Dispõe de características que lhe tornam um tipo de alimento não perecível, desde que se tomem alguns cuidados no seu manuseio e guarda. Cada volume possui um tempero diferente, proveniente de todos os recantos deste gigantesco globo azul. O bom de um livro é que um único exemplar pode saciar a fome literária de várias pessoas, sendo uma fonte de alimento praticamente inesgotável.

As feiras do livro conseguem demonstrar que existem opções para a televisão e o videogame, bastando para isso que as pessoas tirem um pouquinho de seu tempo para sorver o néctar extasiaste da leitura, exercitando e excitando suas mentes a cada parágrafo, pois o livro é uma academia de bolso.

Tudo acontece na velocidade de um olhar. Ao tocar em um volume com seus olhos, a pessoa imediatamente deixa de estar onde estava, passando a viver em outro mundo, em outra dimensão, pois a feira do livro é um portal de passagem para múltiplos universos. Lá você alcança o livro e o livro alcança sua alma. Mas do que um amigo imaginário trata-se de um amigo que invade nosso imaginário, com quem passamos a nos relacionar e conviver.

Por isso é importante que seja incutido desde cedo nas crianças o gosto pela leitura, para que depois elas não passem a encarar o livro como quem encara um pedaço de brócolis ou uma salada de beterraba e diga: “eu não gosto disso, eu não vou ler isso” (a propósito, eu gosto de brócolis e adoro beterraba).

A feira do livro é um lugar onde muitas vezes autores e leitores se encontram, ligados por um mesmo elo que é a obra literária ali exposta, fazendo com que suas vidas passem a ficar eternamente ligadas pelos livros que compartilham. Estas feiras são ótimos lugares para alguém se perder e ao mesmo tempo se encontrar, se perdendo em mil histórias e se encontrando no hábito saudável da leitura.

Espero que este texto tenha conseguido abrir seu apetite literário, pois quero encerrar deixando um convite para os leitores prestigiarem as feiras que vão surgindo como jardins floridos de livros pelas cidades e escolas.

ORLA DIGITAL

Governador inaugura programa Orla Digital de Ipanema

Ana Cláudia Costa

RIO - O governador Sergio Cabral inaugurou há pouco na Orla de Ipanema o programa Orla Digital, que traz iluminação especial à praia e acesso à banda larga da internet. Durante o evento, que foi encurtado devido à chuva, Cabral disse que o governo levará o acesso gratuito à internert à Baixada. Cabral aproveitou para lamentar a morte do pop star Michael Jackson e disse que irá batizar a laje no morro Dona Marta com o nome do cantor. No local, será inaugurado uma estátua de bronze de Jackson.

FAIXAS


Enviado por Renato Grandelle -


Faixas contra desordem dividem Ipanema

Dezesseis faixas dividem moradores e comerciantes de Ipanema. Parte delas, como a da foto ao lado, condena as esmolas. Outras protestam contra a compra de produtos com ambulantes.

Os avisos, criados pelo Projeto de Segurança de Ipanema, também têm os seus críticos. Ex-presidente da Associação Comercial do bairro, João Ângela Gouvêa acredita que as faixas são ineficazes e não representam os lojistas.

Já o subprefeito da Zona Sul, Bruno Ramos, apoiou a ideia. Morador de Ipanema, Bruno considerou a iniciativa uma resposta da sociedade contra a degradação do bairro.

Conheça a discussão na edição de hoje do GLOBO-Zona Sul. A reportagem também está disponível para assinantes do Globo Digital.

POLICIAMENTO

No coração de Ipanema

Sergio Cabral já definiu qual é próxima a favela carioca que ganhará um policiamento permanente, tal qual outros dois morros da zona sul carioca já têm (Dona Marta e Chapéu Mangueira), livrando-as dos traficantes - uma inédita e bem sucedida medida de segurança pública, que estendeu-se ainda à Cidade de Deus.
Será o Cantagalo-Pavão-Pavãozinho, um complexo de duas favelas localizadas em Copacabana e Ipanema. A ocupação permanente acontecerá até o final do ano. Livrar esses dois bairros do tráfico é uma vitória a ser comemorada.
Para o ano que vem, a ambição é maior: fazer o mesmo na mais famosa favela carioca, a Rocinha. A ideia é botar o policiamento permanente ainda no primeiro trimestre.
Ou seja, antes do início da campanha eleitoral, para que a ocupação não seja acusada de ser peça de campanha - embora, com certeza, vá se transformar exatamente nisso: num estandarte vivo de uma bem sucedida política de segurança. Aliás, o governo do Rio de Janeiro tem em mãos uma pesquisa mostrando a extraordinária aprovação da operação de ocupação permamente, tanto dentro das favelas ocupadas quanto nas regiões em torno.
Se a ocupação permanente do complexo Cantagalo-Pavão-Pavãozinho está 100% acertada, a da Rocinha não: por causa do seu tamanho, a secretaria de Segurança não sabe ainda se terá efetivo suficiente. Os policiais que participam dessas operações fazem parte de novos efetivos que estão sendo treinados e formados especialmente para a missão.

MEIO AMBIENTE


Sacolas, agora, só de material reutilizável

O Globo


RIO - O projeto de lei do governo que prevê que as sacolas plásticas distribuídas pelo comércio sejam substituídas por bolsas feitas de materiais reutilizáveis foi aprovado nesta quarta-feira pela Assembleia Legislativa do Rio (Alerj). O projeto, enviado à Alerj em 2007, demorou quase dois anos para ser votado devido a pressões de vários grupos econômicos. Agora, ele irá para a sanção do governador Sérgio Cabral.

Dezesseis emendas de parlamentares foram incorporadas ao projeto original do governo. Elas mudaram aspectos importantes do texto, como o que previa que os estabelecimentos que continuassem a usar sacolas plásticas teriam que recomprar cada sacola por três centavos ou dar um quilo de arroz ou feijão a cada 50 sacolas que fossem devolvidas ao estabelecimento, mesmo que não tenham sido distribuídas por ele. Pelo novo texto, a troca por alimentos foi mantida. O comerciante não é mais obrigado a recomprar as sacolas, mas terá que dar no mínimo R$ 0,03 de desconto a cada cinco itens para clientes que optarem por não usar sacolas.

Os estabelecimentos também terão que colocar avisos informando que o material plástico leva mais de cem anos para se decompor. As multas por descumprimento da nova lei podem chegar a 10 mil Ufirs (pouco mais de R$ 10 mil). O comércio terá prazo de um ano (para grandes empresas) a três anos (micro e pequenas) para implementar a nova legislação. O presidente da Alerj, Jorge Picciani (PMDB), afirmou que vai ouvir entidades empresariais e fazer um novo projeto incorporando alterações propostas por elas à lei aprovada ontem.

O projeto de lei foi elaborado pelo governo em 2007 a pedido do então secretário estadual do Ambiente, Carlos Minc, hoje ministro do Meio Ambiente. A justificativa do governo é que as sacolas trazem graves problemas ao meio ambiente, principalmente a córregos e rios, onde o acúmulo deste material ajuda a provocar enchentes nas regiões ribeirinhas. Pressões de entidades do comércio e da indústria emperraram a votação.

ORLA DIGITAL

Ipanema e Leblon receberão projeto Orla Digital nesta sexta-feira

Rio - O governador Sérgio Cabral e o secretário de Ciência e Tecnologia Alexandre Cardoso inauguram, nesta sexta-feira, a nova etapa do projeto Orla Digital. Depois de Copacabana, do Morro Santa Marta e da Cidade de Deus, chegou a vez de Ipanema e Leblon receberem o projeto de internet banda larga gratuita da Secretaria Estadual de Ciência e Tecnologia (Sect). O evento ocorrerá nas areias da praia de Ipanema, na Avenida Vieira Souto, em frente ao número 176 (Casa de Cultura Laura Alvim).

A parte técnica do projeto “Orla Digital - Ipanema e Leblon” ficará responsável novamente pela Coppe/UFRJ, que já administra o sistema Wi-Fi instalado pela Sect em Copacabana. A instituição disponibilizou uma página na internet para esclarecer dúvidas dos usuários em relação ao acesso, no endereço http://www.orladigital.coppe.ufrj.br/index.php.

Para colocar as antenas transmissoras de sinal, foi instalada uma rede de fibra ótica. Serão 20 pontos emissores, com capacidade para 50 conexões simultâneas.

Os serviços disponíveis serão: acesso à internet, visualização de vídeos (através da execução do tocador de vídeo, que pode ser obtido no site acima), visualização de vídeos na internet, uso de programas de comunicação instantânea e acesso a serviços do governo e prefeituras, através de seus respectivos sites. Já programas como o Microsoft Outlook, que gerenciam e-mails no computador do usuário (usando protocolos POP e IMAP), e programas Peer-to-Peer (P2P), como e-mule, bittorent e outros, não poderão ser usados. Segundo Luís Felipe Magalhães de Moraes, coordenador técnico do programa e professor da Coppe/UFRJ, não haverá limitação no tempo de acesso de cada usuário.

A área de abrangência do projeto será a das orlas de Ipanema e Leblon, mas será possível captar o sinal nas ruas e apartamentos mais próximos. O investimento total ficou em R$ 1,1 milhão, conseguido através da Fundação Carlos Chagas Filho de Amparo à Pesquisa do Estado do Rio de Janeiro. (Faperj).

Como nas outras instalações do Orla Digital, durante três meses serão oferecidas, diariamente, das 8h às 22h, oficinas de informática num quiosque montado na praia com computadores, para quem quiser usar e conhecer mais sobre o mundo virtual. A grade de aulas será similar às oficinas de Copacabana, Botafogo, da Cidade de Deus e do Chapéu Mangueira (que ainda não tem o projeto Orla Digital, contando apenas com o quiosque e os cursos.).

“É uma grande oportunidade para pessoas simples, como os pescadores, os porteiros, donas de casa, enfim, qualquer um pode vir aqui aprender e conhecer mais sobre o mundo virtual. Computador e internet não são apenas lazer, são aprendizado e ferramenta para comprar, vender, aprender, ensinar, enfim, possuem infinitas utilidades. O grande desafio é não vulgarizar a tecnologia da informática, mas popularizá-la. O plano é levar o programa para todo o Estado do Rio” explicou o secretário Alexandre Cardoso, acrescentando que Rocinha e Baixada serão os próximos locais a receber a internet em banda larga sem fio pelo projeto da Sect.

SONINHO GOSTOSO !!!







ERAM 3,30HS DA TARDE E OS TRÊS NO MAOIR SONINHO EM PLENA VISCONDE DE PIRAJÁ,QUASE EM FRENTE AO BOB'S ,ESQUINA DE GARCIA D'ÁVILA.
UMA BELA IMAGEM !!!!!!
CADÊ O COQUE DE ORDEM?????

BICICLETAS !!! CUIDADO !!!

Turista atropelada em Ipanema passa bem

Marcelo Dutra

RIO - A turista sueca Cristiane Oleinikufs Capua, de 38 anos, que foi atropelada, em Ipanema, às 12h55m, passa bem. Ela foi atropelada por uma bicicleta na Rua Visconde de Pirajá esquina com Rua Maria Quitéria e foi socorrida por bombeiros que a levaram para o Hospital Miguel Couto. Cristiane teve apenas escoriações e acaba de ser liberada segundo bombeiros. Há suspeita de que ela tenha sido atropelada por um ciclista em fuga, mas PMs do 23º BPM (Leblon) não confirmam a informação.

IPANEMA PLAZA

Ipanema Plaza (RJ) foca estratégia nas feiras do Exterior


A participação nas feiras de turismo é a principal estratégia do Ipanema Plaza, no Rio de Janeiro, para a captação do turista estrangeiro. Por esse motivo, a gerente geral do empreendimento, Mônica Paixão, marcará presença nos principais eventos internacionais deste segundo semestre para estreitar relacionamento com agentes e operadores dos mercados que pretende incrementar.

Atualmente, a estratégia da executiva para abrir frente com os mercados mais interessantes é alternar o destino. "Todos os anos vamos para França, esse ano resolvemos priorizar outros destinos, como Alemanha, Espanha e Itália. Itália, por exemplo, é hoje é nosso quinto mercado e há cinco anos não participávamos de uma feira lá”, ressalta.

No Primeiro semestre desse ano, a executiva já participou da BTL, em Portugal, BIT, em Milão e ITB, na Alemanha. Segundo Mônica, o retorno das participações em eventos internacionais é imediato. “Os resultados das feiras do primeiro semestre costuma acontecer no mesmo ano", comemora. Para o segundo semestre estão agendadas a participação na NBTA (National Business Travel Association), em Los Angeles; Travel Mart Latin America, no Chile, no World Travel Market, em Londres, além dos eventos nacionais: Salão do Turismo de São Paulo, Centro Oeste Tour e Feira da Abav.

DENÚNCIAS DE UM VOLUNTÁRIO

DENUNCIE VOCÊ TAMBÉM,PARA QUE POSSAMOS FAZER UM NOVO MAPA DA DESORDEM URBANA EM IPANEMA

ESSE MAPA IRÁ PARA OS ÓRGÃO COMPETENTES PARA QUE PROVIDÊNCIAS SEJAM TOMADAS.PAGAMOS CARO PARA MORAR EM IPANEMA,NÃO MERECEMOS ESSA DESORDEM !

Precisamos da sua ajuda no nosso bairro.

Segue abaixo, à titulo de colaboração, os pontos críticos observados:

1) PRAÇA GENERAL OSÓRIO : Aos domingos, onde fica a Feira de Artesanato, encontra-se um número muito grande de camelôs,vendedores ambulantes, atrapalhando os frequentadores e artesãos.

2) VISCONDE DE PIRAJÁ , KIKARNES, esquina com Rua Vinicius de Moraes : Continuam colocando vasos, caixas de mercadorias, bicicletas, atrapalhando totalmente a passagem dos transeuntes.

3) VISCONDE DE PIRAJÁ, ORTHOBOM ,ao lado do KIKARNES : Colocam vasos, triciclos, também atrapalhando os pedestres.

4) RUA FARME DE AMOEDO , bares e restaurantes em geral : Tomando a calçada onde os pedestres são obrigados a passar pela rua.

5) RUA VINICIUS DE MORAES : Nota-se a continuação de 04 carrinhos "burro-sem-rabo" , também atrapalhando os pedestres e emporcalhando a rua!

6) BAR E RESTAURANTE ALEX - RUA VINICIUS DE MORAES : Ruidos de música ao vivo até de madrugada, às sextras, sábados e domingos, atrapalhando o sono dos moradores.

7)RUA VINICIUS DE MORAES COM RUA NASCIMENTO SILVA : Mesas e cadeiras na rua do bar que fica na esquina.

8) RUA JOANA ANGÉLICA, NA PRAÇA N.SRA.PAZ, EM FRENTE AO BANCO DO BRASIL : Está formado, faz tempo, um grupo de moradores de rua, que faz abordagens às pessoas que necessitam ir ao caixa eletrônico do BB , principalmente nos fins de semana, onde intimidam as pessoas e fazem assaltos.

9) RUA MARIA QUITÉRIA ENTRE AS RUAS VISCONDE DE PIRAJÁ E PRUDENTE DE MORAIS : Existem 02 bares onde fica com música ao vivo ate de madrugada.

10) RUA VINICIUS DE MORAES : Há uma viatura da Prefeitura, um Chevy branco,com locotipo, que estaciona após 20:00 hs
em local proibido, na rampa de calçada; o usuário que é segurança da PIZZARIA CAPRICIOSA, alega que é funcionário da Prefeitura e tem permissão.

11)RUA VISCONDE DE PIRAJÁ E ADJACENCIAS : Não se vê mais a presença de Guardas Municipais, que estão deslocados todos para Av. Vieira Souto; enquanto que os assaltos continuam acontecendo frequentemente nas àreas da Prudente de Moraes, Visconde de Pirajá e Praças, incluindo aí os locais onde ficam bancos com caixas eletrônicos.

Gostaríamos de um retorno de sua administração.

Atenciosamente,

AVISO AOS NAVEGANTES



Ipanema e Leblon ganham rede sem fio gratuita de acesso à internet


O Globo

RIO - Quem estiver nas praias de Ipanema e do Leblon já pode surfar gratuitamente na internet. Isso porque os 20 pontos emissores de sinal sem fio à rede de computadores já estão funcionando, ainda em fase de testes. A inauguração oficial está prevista para sexta-feira, dentro do programa Orla Digital, que já cobre Copacabana e as comunidades de Santa Marta e Cidade de Deus . De acordo com o Secretário de Ciência e Tecnologia, Alexandre Cardoso, a Rocinha e a Baixada Fluminense serão os próximos locais beneficiados pelo programa.

O Rio de Janeiro já é a cidade mais digital do mundo. São 350 mil pessoas beneficiadas, somando os moradores de Copacabana, Ipanema, Leblon, Cidade de Deus e Santa Marta. E, para as Olimpíadas, oferecer a conexão sem fio à internet na orla é um passo sensacional - disse o secretário.

Cada um dos locais emissores de sinal tem capacidade para 50 conexões simultâneas. A área de abrangência é a orla, mas também será possível captar o sinal de algumas ruas de acesso e parte dos apartamentos mais próximos. Além do acesso sem fio à internet, o governo do estado montará um quiosque na orla com cerca de 15 computadores para ensinar usuários a usar a internet. A previsão é que o local funcione todos os dias, das 8h às 20h, por 60 dias. Também há uma página na internet explicando detalhes técnicos do programa e dando respostas às perguntas mais frequentes: .

O RIO -de MILTON LEITE
















Enviado por Aydano André Motta -
A terra que bate um bolão

O Rio de... Milton Leite

O paulista Milton Rodrigues Leite, 50 anos, é um dos melhores locutores esportivos do Brasil (na foto, ele aparece em ação, na abertura dos Jogos Olímpícos de Pequim). Seu estilo, perfeito para TV a cabo, mistura a emoção necessária ao ofício com doses generosas de informação e opinião, típicas de um especialista no assunto. Atualmente na África do Sul, cobrindo a Copa das Confederações, ele hoje à tarde vai narrar Brasil x Itália para o Sportv, onde trabalha atualmente. As visitas ao Rio, normalmente a trabalho, renderam um depoimento rico para a série "O Rio de...". Milton cita vários amigos, celebra caminhadas no calçadão, rende-se à beleza de um dos nossos mais célebres cartões postais e oferece uma recordação que está no coração de todos os cariocas.

Um carioca: Chico Buarque. Lembro de um dia em que estava num restaurante no Leblon e ele passou na calçada do outro lado da rua, naquele passo acelerado das suas caminhadas. Além de ser gênio, ainda descreve em muitas canções o Rio como poucos (assim como Tom Jobim).


Um amigo no Rio: São muitos. Alguns que nem são cariocas, mas adotaram a cidade, como o paulista Luís Roberto ou o mineiro Marcelo Barreto (foto ao lado). Glenda Kozlowski, Sidney Garambone, Vitorino Chermont, Alex Escobar, Emanuel Castro, Bruno Cortes... Faltaria espaço para todo mundo.

Uma paisagem: Sempre que estou no Rio, nos meus trajetos pra lá e pra cá, faço questão de passar pela Lagoa Rodrigo de Freitas, nem que seja para ver do carro mesmo aquele cenário. É um dos lugares mais bonitos (entre tantos) do Rio. Quando tenho mais tempo, uma caminhada por ali também é indispensável.

Um programa na cidade: Minhas visitas ao Rio, na maioria das vezes, são motivadas pelo trabalho. Então, nem sempre dá tempo, mas, quando posso, gosto de caminhar ou correr pela praia de Ipanema - sou um privilegiado por ficar num hotel a uma quadra da praia e algumas poucas da Lagoa.


Um lugar para comer: Normalmente sou levado pelos amigos. Antigamente gostava muito do Amarcord, ali pertinho da Lagoa. Este não existe mais. Recentemente fui jantar no Fratelli, no Leblon. Massa ótima, bons vinhos.

Uma recordação: Tenho muitas boas passagens pelo Rio, mas uma recente e inesquecível foi transmitir a final do torneio feminino de futebol do Pan de 2007, no Maracanã. O Brasil goleou, ficou com a medalha de ouro e o estádio tinha mais de 60 mil pessoas. Isso mesmo: 60 mil pessoas, numa quinta-feira, dia normal de trabalho, no começo da tarde e para assistir a um jogo de meninas. Em minha opinião, foi o ponto alto daquele evento, uma festa linda (que você relembra na foto de Marcelo Theobald, abaixo).

CRÔNICA

Crônica tirada do site - Recanto das Letras

TODA (DES)GRAÇA DE UM MUNDO NADA PERFEITO

(Autor: Antonio Brás Constante)

Existem mundos feitos de defeitos, mundos de ficção real que podem conter pedaços de descasos municipais, traços de tramóias em nível estadual, fatias de falcatruas federais, ou até corrupção em uma outra constelação.

Mas como seria um mundo nada perfeito? Provavelmente ostentaria placas luminosas logo na entrada de seu território, fazendo troça da lastimável situação de infortúnio da população, utilizando dizeres do tipo: “capital da saúde”, berço fecundo para o nascimento de fraudes como estas que vem pipocando sobre o Detran. Ou pior: “capital da educação”, e como quem estuda precisa de merenda, então porque não aproveitar e se esbaldar nas verbas da merenda escolar? Afinal são somente crianças as diretamente prejudicadas (recebendo até comida estragada), e criança não vota (ainda). Mentiras expostas ao ar livre, que parecem tentar fazer rir para não chorar.

O ingrediente ideal para se criar um terrível mundo assim, partiria da máxima onde se diz que para iludir a população é necessário apenas circo e pão. Então por que não transformar o lugar em um circo recheado de festas, torrando e desviando grandes somas, para se fingir de administrador bacana enquanto mete a mão grana.

Que tal dar uns 500 mil para o trabalhador comemorar, outros 450 mil para manter a tradição de gastos em festas neste lugar, e mais 800 mil para o carnaval (desse montante deixem que roubem uns poucos 300 mil que ninguém vai notar, basta inventar uma desculpa esfarrapada e ficará tudo explicado, a administração pública só dá o dinheiro, não tem qualquer obrigação de cobrar dos culpados, quem sabe festejar com eles então...).

Melhor seria aproveitar a farra do dinheiro público e deixar os empresários também felizes, não todos, apenas alguns afortunados, pagando viagens através do mundo com dinheiro suado do pobre assalariado, que nem transporte decente tem para ir trabalhar, estando sujeito a todo desconforto que o transtorno implantado possa causar. Mas, na referida viajem “negocial” não iriam apenas os desfavorecidos sociais de cunho empresarial, iria também com eles, a tiracolo, o primeiro gestor do lugarejo juntamente com seu amigo e candidato ao novo mandato. Tudo muito superfaturado, pois o importante é faturar. Mas... E o povo? O povo que vá trabalhar!

Enfim, a sordidez e a roubalheira reinam em todos os recantos onde possam existir estes abomináveis mundos nada perfeitos. Porém, novas eleições se aproximam, e mais do que lavar calçadas como provas de desagravo (gesto nobre e aprovado), nós devemos faxinar é com o voto, e retirar estes mercenários do cenário político, onde por tanto tempo já parasitaram. Quem sabe se buscarmos a ajuda de algum santo que saiba enfrentar dragões? Vamos eleger um são Jorge guerreiro para mudar os rumos desta deplorável situação. Não precisa nem ser o atarefado santo. Basta apenas ser um Jorge com vontade trabalhar. E salve Jorge!

E-mail: abrasc@terra.com.br
Site: www.recantodasletras.com.br/autores/abrasc

QUE BAGUNÇA !!!


Enviado por Renato Grandelle -


Buracos em série na General Osório

Não tem nada pra fazer? Vá à Praça General Osório, na entrada próximo à Rua Jangadeiros, e conte quantos buracos tem no chão. Terça passada vi mais de 20 - tive de interromper a contagem para ir pra uma pauta. Meu passatempo chamou a atenção de um taxista, que garante já ter visto muita gente caindo por ali. Pior ainda para quem usa cadeira de rodas. Deles, a calçada exige uma série de manobras.

A Secretaria municipal de Obras informou que uma equipe fará a vistoria no local até terça-feira. Os reparos começariam logo depois.

PASQUIM 0 40 ANOS



O Pasquim não se levava a sério...

Imagem é tudo: enquanto a grande imprensa reproduziua sua sisudez no visual do jornal, O Pasquim ousava ao fundir texto e imagem, dando igual destaque à produção de jornalistas e cartunistas (Foto: Desiderata / Reprodução)


Neste artigo, o jornalista e pesquisador Átila Bezerra revisa a trajetória de O Pasquim

Parece piada, para gente que comemora os 40 anos de lançamento do seu primeiro número e nesse momento deve estar festejando a memória do jornal com Ziraldo, Jaguar, Luís Carlos Maciel, Miguel Paiva, Sérgio Cabral e demais da patota, no Rio de Janeiro, de preferência em algum boteco de Ipanema. Desde o dia 26 de junho de 1969, o Pasquim já não se levava a sério, eu disse, mas os militares no poder o levaram. E muito!

Pode-se dizer que a publicação de “um cartum” apenas foi o estopim para a prisão de nove cartunistas e jornalistas pelos milicos irados. Prisão que foi até matéria no New York Times. O desenho em questão era meio que uma charge - pela sua atualidade e crítica de natureza política - baseada numa montagem feita pela patota sobre um quadro (“vagabundo!”, diria Jaguar) do pintor Pedro Américo, onde Dom Pedro I às margens do riacho Ipiranga proclama a Independência do Brasil. No lugar do histórico (e questionável) “Independência ou morte!”, lia-se num balão de fala de quadrinhos: “EU QUERO MOCOTÓ!!”. Referência ao hit musical do cantor Wilson Simonal, considerado, pelos pasquineiros, colaborador da ditadura.

Imagine práticas semanais como essa chegando aos olhos dos moralistas de plantão, militares linha dura que ainda festejavam o AI-5, parte da classe média que apoiou o golpe e demais pessoas sentadas na sala de jantar. Muitas delas proibidamente se deliciando, escondidas da sociedade, a entrevista com Leila Diniz que rompia completamente com padrões de comportamento socialmente aceitos e, de certa forma, inaugurava oficialmente (mesmo após o fenômeno revista Cláudia e Carmen da Silva) a liberdade feminina no Brasil, com circulação garantida pelo IVC - Instituto Verificador de Circulação - de 220 mil exemplares, número estrondoso para um veículo da Imprensa Alternativa.

Foram cartuns, charges, entrevistas, montagens fotográficas, capas, frases lemas, ilustrações, Pasquins-novelas, Pôsteres dos Pobres que, passando pela censura de uma forma que exigia apenas uma dedução inteligente do leitor, inovaram a forma de se fazer humor, jornalismo e trouxeram a linguagem cotidiana pra mais perto da imprensa. A entrevista sem rodeios, sem edição, ou, como se dizia na linguagem jornalística, sem “copidesque”, tal qual se dá numa conversa informal, foi uma das descobertas do semanário carioca que, como diz Jaguar, “fez o Pasquim tirar o paletó e a gravata da imprensa brasileira”.

Humoristas e jornalistas que dificilmente se juntariam num veículo da chamada grande imprensa de então, por serem muito talentosos e custarem caro, marcaram as gerações dos anos 1970 e 80 com suas pautas regadas a uísque e discutidas no Jangadeiro’s ou no Zeppelin. Paulo Francis, Sérgio Cabral pai, Tarso de Castro, Ivan Lessa e Luís Carlos Maciel exclusivamente nos textos. Escrevendo ou desenhando vale lembrar cartunistas/jornalistas como Jaguar, Ziraldo, Miguel Paiva, o convívio da velha geração com uma de novos, como o mestre maior Millôr Fernandes, Luis Fernando Veríssimo (que também desenha, viu?!) e mais no traço o mineirinho Henfil, o inesquecível Fortuna, Claudius, Nani, e a aparição de alguns dos Cassetas, como Hulbert e Reinaldo, sem esquecer a participação especial de nosso Mino.

Os personagens das tirinhas passaram a ser familiares ao leitor brasileiro. É o caso da Graúna, de Zeferino, dos Fradinhos, de Ubaldo, o paranóico, e do Cabôco Mamadô - de Henfil; da Supermãe, dos Zeróis e de Jeremias, o bom - de Ziraldo - e também de Tânia, a fossa, da Anta de tênis e do inesquecível ratinho Sig - de Jaguar - mascote e avatar do Pasquim, que até hoje vem facilmente à memória como identidade do jornal. Sig acompanhava o espírito de cada edição, rindo das adversidades, servindo como mini-editoriais desenhados e, como se diz hoje, tirando muita onda da própria situação que os contextos social e político da época traziam aos que sonhavam com dias melhores.

Texto/ imagem

No Pasquim, de uma maneira particular, o texto, o desenho e os contextos dialogavam, complementando-se. Outras vezes agiam separadamente, mas unidos ao longo das páginas na construção editorial e gráfica do jornal, sendo a caricatura e suas subdivisões - desenho de humor, charge, cartum e tirinhas - marcas de identidade do jornal. Mas quem pensa que o Pasquim se resumiu apenas à crítica a ditadura, se engana. Tudo era motivo de pauta para os pincéis e as máquinas de datilografar nas edições do Pasquim: política internacional, artes, comportamento, problemas sociais. Diz-se que o jornal carioca foi quem cunhou pela primeira vez a palavra Ecologia na imprensa brasileira e a gíria que se tornou palavra, “dica”, em trechos curtos que valiam como notas que iam de teatro, cinema e literatura até opiniões rápidas sobre política, economia, fatos internacionais ou mesmo sobre a própria ditadura.

Quem pensa também que era um jornal da esquerda oficial, enganou-se novamente. Era de esquerda, sim. Mas mais pra esquerda festiva - nem um pouco careta ou sectária. Esquerda festiva tipo banda de Ipanema, réveillon de Albino Pinheiro, tanga de crochê de Fernando Gabeira na praia - que publicou “O que é isso Companheiro?” pela editora do Pasquim, a Codecri - ou mesmo Betinho - o irmão do Henfil - sendo carregado nos ombros da multidão no aeroporto de Congonhas, em São Paulo, vindo do exílio.

Hoje, cartunistas consagrados como Angeli e Laerte e publicitários como Washington Olivetto, da W/Brasil, além da turma do Casseta & Planeta, admitem as influências do Pasquim. Tentativas de recuperar o passado foram feitas por Ziraldo e Jaguar com a revista Bundas e o jornal O Pasquim 21. Muito talento para um público que parece ter migrado cada dia mais para o humor na Internet. Por falar nisso, se formos para nossos dias, podemos pensar que fotomontagens em blogs como Kibeloco ou Jacaré Banguela devem muito à escola Pasquim. Desde 2007, estão sendo lançadas antologias com material diverso publicado no Pasquim, pela editora Desiderata, e que se você quiser ter na sua biblioteca vai te proporcionar horas e horas de risadas, além de ficar bonito na estante pelo seu excelente acabamento gráfico. A terceira edição - com material de 1973 e 1974 - foi lançada agora, em comemoração aos 40 anos, além de um especial de 40 páginas com algumas das memoráveis capas.

Ler o Pasquim hoje, numa pesquisa na Universidade, é se deliciar com um documento que conta a história do País sob um ponto de vista do humor, do riso, da ironia, do sarcasmo, do escárnio, da balbúrdia, da brincadeira, da galhofa. Um humor inteligente, corajoso, em desenhos que recuperaram nossa vontade de acreditar que, mesmo em meio às adversidades, é sempre possível pensar num país mais democrático, mais igualitário, mais humano. É saber que, mesmo com a seriedade que uma pesquisa acadêmica exige, somos levados pelas gargalhadas que mostram o Brasil moleque, chegando-se a conclusão que o brasileiro não leva mesmo nada a sério. E pra que levar?! Vamos comemorar os 40 anos do dionisíaco Pasquim no botequim mais próximo!

Átila Bezerra*

CARNAVAL 2010

Entidade quer só cinco os blocos de Ipanema em 2010

No que depender do Projeto de Segurança de Ipanema, o bairro terá apenas cinco blocos desfilando no bairro durante o Carnaval do ano que vem, em vez dos pelos menos dez que saíram neste ano.

O tema estará na pauta da próxima reunião da ONG, daqui há seis dias, para a qual foram convidados órgãos como a Subprefeitura da Zona Sul e a Secretaria da Ordem Pública, segundo o capitão-de-mar-e-guerra reformado da Marinha Rogério Esteves, 70 anos de vida e quase 40 de Ipanema, que se define como "uma espécie de ouvidor" do PSI.

– Já estamos coordenando esse esquema com órgãos envolvidos.

Neste ano, fecharam a Farme de Amoedo em frente a um hospital (Cardiotrauma), não queremos que isso se repita, porque a festa de uns não pode atrapalhar a necessidade dos outros – argumenta Esteves, que defende o critério de raízes no bairro como para a escolha de quem poderá desfilar em 2010.

– É a Banda de Ipanema, um outro tradicional (confirma o Simpatia é Quase Amor, após ser a reportagem "soprar") e mais uns três que eu não me lembro.

Entretanto, todos os dez blocos que saíram no Carnaval deste ano em Ipanema consultados pelo JB têm origem no bairro, o que pode dificultar a aplicação do critério. Além disso, o bloqueio da Farme de Amoedo é um reflexo da própria Banda de Ipanema, que passou a atrair muitos gays – mesmo público da rua citada, onde acabam esticando após o desfile.

"Frescura"

– É frescura – .

Assim o pedinte Nilo de Oliveira, 49, definiu a faixa que desmotiva as esmolas. Acomodado sobre um skate, com as pernas sem movimentos – atrofiadas por paralisia –, ele afirmava ser mais vantajoso pedir dinheiro em Ipanema do que "tomar só um café" em órgãos de assistência estatais.

CARNAVAL 2010

Riotur descarta limite a blocos em Ipanema

JB Online


RIO - A Riotur, responsável pela organização do Carnaval a partir do ano que vem, afirmou não ter sido procurada pela ONG Projeto de Segurança de Ipanema (PSI) que, em reportagem publicada nesta quarta-feira pelo JB, disse que pretendia negociar com a Prefeitura para organizar o evento no bairro com a possibilidade de limitar a cinco o número de blocos – atualmente são mais de dez. A Riotur disse ainda que não há nenhum plano de limitar o número de blocos de Ipanema. A Subprefeitura da Zona Sul especificou que as exigências feitas – já em vigor – é de que os blocos não ocupem o mesmo local no mesmo horário, e que não fechem duas ruas de um corredor viário no mesmo sentido. Segundo a Sebastiana – Associação Independente dos Blocos da Zona Sul –, as agremiações já seguem as regras estabelecidas pela Prefeitura para não causar transtornos.

VARIEDADES

Enviado por Bairros.com -

Dj Motiv8 toca no Baronneti no sábado

Sábado, dia 20 de junho, a partir das 23h, o Baronneti Club, em Ipanema, recebe o Dj americano Motiv8. Ele já foi chamado de lenda do Hip Hop por muitos dentro da indústria. Também é conhecido por apoiar novos talentos e transformá-los em superstars. Monroe Walker, também conhecido como Dj Motiv8, é pioneiro e importante veterano no hip hop. No começo dos anos 90 se juntou com AplDe Ap, Taboo, e Will.i.am, do Black Eyed Peas, e com o sucesso do grupo conquistou o lugar de Dj residente nas apresentações mundo afora. Trabalhou também com muitos outros artistas de peso, como Madonna, Billy Idol and the Coors, Kylie Minogue. O Baronneti Club fica na Rua Barão da Torre 354.

CASOS DE POLÍCIA

Polícia Federal realiza operações para reprimir contratação de estrangeiros ilegais

Marcelo Dutra

Policiais federais da Delegacia de Imigração (DELEMIG) realizaram na tarde desta quinta-feira ações de busca em cinco unidades do Curso Britânnia: Barra, Botafogo, Lagoa, Gávea e Ipanema. Há indícios da existência de contratação de estrangeiros, com visto de turista, para exercerem o cargo de professores em cursos de idiomas.

Durante as diligências, foi encontrada uma escocesa, sem documento e há mais de um ano no país, que estava trabalhando sem visto regular. Em Ipanema, dois ingleses, sem documento, entraram como turista e exerciam atividade sem visto regular, além de excederem o prazo de estada. Na Lagoa, havia uma americana que também trabalhava sem visto regular. Nas filiais de Botafogo e Gávea, não foram encontradas irregularidades. As multas aplicadas chegaram a um total de R$ 13.078,49. Os estrangeiros em situação irregular foram notificados a deixar o país em oito dias.

CRIME EM IPANEMA



Crime em Ipanema

Homem reconhece acusado de matar seu pai há 25 anos e denuncia tocaia

O Globo

RIO - O homem que reconheceu um dos acusados de ter assassinado seu pai, há 25 anos, e que estava foragido, desmentiu nesta quarta-feira a versão apresentada pelo preso durante depoimento à 13ª DP (Centro). Sérgio Luiz da Silva Moraes, 64 anos, condenado em agosto de 1992 pelo crime, contou na delegacia que Hermano Costa de Araújo (foto ao lado) teria sido morto durante uma briga de bar em Ipanema, em dezembro de 1983. O professor Maurício de Araújo, filho de Hermano, no entanto, desmentiu a versão. Segundo ele, o pai foi vítima de uma tocaia armada por Sérgio e outro acusado que está foragido.

- Ele inventou qualquer coisa para não responder por latrocínio. Mas meu pai não morreu numa briga de bar, foi uma tocaia que eles fizeram para roubar 50 mil francos (franceses) que ele estava trazendo de Belém, onde trabalhava com uma agência de navegação - contou o professor, que reconheceu o acusado quando andava pela Avenida Nossa Senhora de Copacabana, em Copacana:

- Eu estava indo fazer um exame quando vi Sérgio conversando com uma pessoa. Eu me aproximei, chamei-o pelo nome e pedi ajuda para os guardas que estavam por lá. Ele não chegou a ser algemado nem nada. Nós fomos todos para a delegacia para prestar depoimento. Ele ficou dizendo que não tinha feito nada e que estava pagando o pato - contou Maurício, que revelou ainda que seu pai era amigo de Sérgio há cerca de 24 anos.

Além de Sérgio Luiz, que estava foragido desde 1992, quando foi condenado a 25 anos de prisão pela 25ª Vara Criminal, outro condenado pelo crime também está foragido: Carlos Alberto Muniz Macedo. Embora a prescrição para este tipo de crime seja de 20 anos e a morte de Hermano tenha ocorrido há 25, a validade do mandado expedido contra Sérgio não expirou por causa da data da condenação - há 17 anos.

O crime aconteceu na noite de 2 dezembro de 1983, numa apartamento em Ipanema, mas o corpo de Hermano só foi encontrado três dias depois, quando Sérgio Luiz esteve numa delegacia para dizer que Hermano tinha sido morto numa briga de bar com Carlos Alberto. De acordo com a decisão da Justiça, que condenou os dois por latrocínio, eles teriam assassinado Hermano para roubar os francos que serviriam para formar uma sociedade entre os três.

CURSO DE PORTEIROS

LOCAL 23º BPM, INSCRIÇÕES:

GEORGE TÁVORA: TELS. 9121 8001

georgeatavora@hotmail.com

Seguem algumas informações sobre o curso para porteiros.
Basicamente são palestras destinadas a empregados, síndicos e moradores de condomínios, focando o quesito segurança e visando a prevenção de roubos e furtos em edifícios.

Os empregados são alertados quanto a:
- cuidados na portaria;
- acesso de pessoas ao prédio;
- atenção nas imediações do edifício;
- a garagem e
- instruções gerais.

Os síndicos são alertados quanto a:
- contratação de empregados;
- a portaria;
- acesso de pessoas ao prédio;
- equipamentos de segurança e
- a garagem.

Os moradores são alertados quanto a:
- entrada e saída do prédio;
- contratação de empregadas domésticas e
- os vizinhos.

Também comparece um técnico da Comlurb que ministra uma palestra sobre lixo, quem o produz e como deve ser adequadamente tratado

CÔMICO SE NÃO FOSSE TRÁGICO !!!




Enviado por leitor Bernardo Santos Costa




EU-REPÓRTER




Lixeira perto da arrebentação no Arpoador


Tá certo que a maioria da população apoia o Choque de Ordem, mas colocar lixeira para surfista, já acho um certo exagero. Essa foto foi tirada hoje, mas como só estava com o meu celular a imagem não está muito nítida. Dá para entender uma lixeira em cima da pedra, agora a que está perto da arrebentação... Não sei como essa lixeira foi parar ali, mas é no mínimo intrigante. O pior é que ela esta de pé, como se a esperar algum cidadão fazer uso.

E MAIL DE UM COLABORADOR

Projeto de Segurança de Ipanema.

Solicito enviar a mensagem abaixo para a CET-Rio e Secretaria de Meio-Ambiente.

Nós moradores do entorno do Largo Banda de Ipanema, Av. Rainha Elizabeth, e R. Tereza Aagão, vimos solicitar a VSas. interdição do ponto de ônibus da linha 125 localizado nesta última rua.
Tal solicitação se prende ao fato de que os veículos chegam a cinco estacionados, com os motores ligados. Dessa forma, a poluição ambiental é excessiva, sendo que o cheiro da gasolina penetra fortemente em nossas casas, como também, a fumaça negra desprendida, prejudicando severamente nossa respiração.
Informamos ainda que a placa que permite tal estacionamento foi adulterada no número de veículos. Tal linha poderia ser circular, como já foi em passado recente.
JGuia

PRISÃO

PF prende 9 suspeitos de envolvimento com a máfia de caça-níqueis

Mais de 200 máquinas foram apreendidas.

Operação realizada na noite de terça percorreu bairros do Rio e de Niterói.

Do G1, no Rio, com informações do Bom Dia Rio

A Polícia Federal fez uma operação para combater o uso das máquinas caça-níqueis. Ao todo, nove pessoas foram presas no Rio e em Niterói, na Região Metropolitana, e mais de 200 máquinas apreendidas, na noite de terça-feira (16).

Os policias saíram em direção a sete endereços onde seriam explorados os jogos de azar por volta das 22h30. Mais cedo, alguns agentes já estavam nesses locais, disfarçados, acompanhando toda a movimentação.

Boa parte das casas onde funcionavam bingos ficava na Zona Sul da cidade. Num prédio em Ipanema, os policias encontraram uma sala de jogos com mais de dez máquinas. O local era monitorado por câmeras.

Em Botafogo, uma outra equipe da polícia também fez apreensões. Duzentas máquinas foram levadas para a sede da polícia em caminhões.

Cerca de 70 agentes da Polícia Federal participaram da operação.

“Nossa postura é prender em flagrante o comerciante que mantém em seu estabelecimento esse tipo de exploração ou o gerente que está num bingo clandestino, que não é o dono do negócio, mas ele gerencia e participa com voz de comando. É uma pessoa de confiança da cúpula da máfia dos caça-níqueis”, disse o delegado André Diniz.

Ainda segundo o delegado, as ações contra a exploração de máquinas caça-níqueis vão continuar sendo feitas na cidade.

FAIXAS


.João Pequeno, Jornal do Brasil


RIO - Dezesseis faixas espalhadas pelo bairro e dez dias, contados desde segunda-feira, são as armas e o tempo da ONG Projeto de Segurança da Ipanema (PSI) para convencer moradores e frequentadores a não darem esmolas nem comparem mercadorias de camelôs.

A julgar pelas reações constatadas terça-feira pelo JB, a tarefa parece mais difícil do que cancelar a comemoração do último revéillon na praia de Ipanema, o que a entidade – criada a partir do movimento Basta! – conseguiu com apoio do Ministério Público e da Secretaria de Segurança, alegando falta de policiais suficientes para um evento adicional à queima de fogos de Copacabana.


Desta vez, o apelo depende de convencer cada pessoa que circula pelo bairro, mas, na Praça Nossa Senhora da Paz, nenhuma pessoa ouvida pela reportagem deu apoio incondicional aos argumentos do PSI, especialmente ao de “quem compra em camelô aumenta a desordem urbana”. Dar esmolas – “uma droga que vicia e rouba o futuro”, segundo os cartazes da ONG – teve mais restrições, mas com atenuantes.


– Há uma desordem, mas não acho que correr atrás de camelô resolva – opinou o advogado Carlos Rebello, 68. – Tem que haver um espaço para eles, como em Botafogo – acrescentou, reconhecendo que faltam áreas livres em Ipanema, entre o mar e a lagoa.

Para a também advogada Márcia Pimentel, comprar de camelô não é problema “desde que o produto não seja ilegal”. Ela evita dar esmolas, no entanto. – Tem gente que ganha mais pedindo aqui do que trabalhadores de baixa renda, e acaba se acomodando.

Já a dona de casa Leny de Mello, 72, diz que dá esmolas “para cego, paraplégico”, mas jamais para crianças, “que são exploradas”.


Unanimidade não era mesmo a ideia da coordenadora do PSI, a empresária Ignez Barreto, 64 anos, há 23 em Ipanema. – Provocar polêmica também foi nossa intenção, porque levanta uma discussão necessária para o Rio, empobrecido pela desordem urbana.

– A região da Leopoldina, que já foi uma das maiores fornecedoras de ICMS da cidade acabou tomada por ocupações ilegais, população de rua, camelotagem, e espantou empresas, que fecharam suas sedes, e pessoas, que evitam passar à noite, por medo. Sabemos que Ipanema está muito longe disso, mas quando uma rua é ocupada por “10 mil” camelôs, dezenas de pedintes e venda de drogas, cria-se o hábito de não passar por ali, o que esvazia economicamente o local. Nem precisa ir muito longe, basta ver Copacabana (onde dependentes formam uma “cracolândia” na Rua Sá Ferreira, junto ao Morro do Pavãozinho).

Ignez afirma não ser contra “o trabalho do camelô legalizado”, mas também é mais rigorosa com as esmolas, especialmente às crianças. – Quando você dá esmola a uma criança, está tirando a possibilidade de futuro dela, que segue na rua, exposta a risco de drogas e assédio sexual, sem estudar

SOLAR MENINOS DE LUZ


Acessem o link:

http://www.meninosdeluz.org.br/newsletter/200906/ns200906.html

Divulguem este trabalho. E se você ainda não faz parte dele, venha nos conhecer pessoalmente. Agende uma visita.

Seja um colaborador!

Seja uma empresa parceira!

Seja um voluntário!

Grande abraço,

Alessandra Maltarollo

Comunicação e Eventos

2522 9524 r.38 / 8111 9527

PRISÃO

Guardas municipais detêm condenado por homicídio em bar de Ipanema há 25 anos

O Globo

RIO - Quatro guardas municipais detiveram, na manhã desta terça-feira, em Copacabana, Sérgio Luiz da Silva Moraes, 64 anos, condenado por ter assassinado a facadas, em 1983, Hermano Costa de Araújo, em um bar de Ipanema. O crime aconteceu após uma discussão de Sergio com Hermano, e outro homem, ainda em liberdade. Hermano morreu com 40 anos.

Sérgio foi identificado pelo filho da vítima, o professor Maurício Araújo, que pediu auxílio aos agentes que patrulhavam a região. Após a denúncia de Maurício, os guardas se aproximaram e detiveram o suspeito. Ao levá-lo à 13ª DP, os guardas descobriram que Sérgio responde a duas condenações da Justiça.

MAURO VENTURA

Enviado por Mauro Ventura -

.Ipanema enfaixada

Outra enorme faixa ornamentou a Praça Nossa Senhora da Paz, além daquela que apareceu hoje no Anselmo. Na que saiu no jornal, está escrito, em letras vermelhas garrafais: "Quem compra em camelô aumenta a desordem urbana."

A que vi hoje, instalada igualmente pelo Pojeto de Segurança de Ipanema, também usa termos duros: "A esmola é uma droga que vicia e rouba o futuro."

PRAÇA NOSSA SENHORA DA PAZ


Ninguém merece !!!!!!!
Quem precisa desse lixo?????Deixou de ser grade há muito tempo !!!!! Virou escoderijo de ladrões que entram à noite para assaltar quem passa desprevenido.
Preferível seria se não houvesse grades,não haveria a necessidade de manutenção (que não existe )e não se tornaria uma arapuca para quem entrasse na praça.Uma vez lá dentro ,cuidado!!!!!

FAIXAS


Hoje pela manhã , faixas foram colocadas ,espalhadas pelo bairro,com o intuito de fazer com que os moradores e visitantes colaborem com a ordem urbana.
O fato de dar esmolas está se tornando um vício de alguns moradores de rua que fazem disso seu ganha pão e quanto ao hábito de comprar em camelôs,apenas incentiva que cargas sejam roubadas e caminhões sejam assaltados.
COLABOREM COM NOSSO PROJETO !

NÃO DÊ ESMOLAS

NÃO COMPRE EM CAMELÔS




VERGONHA !!!!

Enviado por Mauro Ventura -

.Ao ar livre

Sexta-feira, 13h, espio a rua em Ipanema. Crianças chegam a um prédio. Uma senhora passa com carrinho de compras, vindo da feira. O tempo feio provoca a abertura de guarda-chuvas.

Um casal distinto caminha abraçado. Os dois têm por volta de seus 60 e poucos anos. Eles param diante de uma árvore, em frente a um prédio. Ela dá dois passos à frente e começa a ler as revistas expostas na banca de jornais ao lado.

Ele continua no mesmo lugar. Abre a braguilha, estica o pênis para fora e se põe a urinar na árvore. Não tem aquela atitude suspeita de quem sabe estar fazendo algo errado. Não tem igualmente qualquer preocupação em proteger suas intimidades da vista dos outros. Tem a naturalidade de quem está no banheiro de sua casa.

Termina o serviço, abraça o ombro de sua mulher e saem os dois caminhando despreocupadamente, como se aquele gesto de urinar ao ar livre, no meio de uma rua em Ipanema, no começo da tarde, diante dos pedestres, já estivesse incorporado a seu cotidiano.

E MAIL DE UM COLABORADOR

RUA CANNING - A ESQUECIDA


Já fazem mais de dois meses que a pequena (e esquecida) Rua Canning em Ipanema está no escuro.
Mais de 5 reclamações foram enviadas para o Disque-Luz da Prefeitura e nada acontece.
Permanecemos na escuridão na qual o poder público não consegue nos enxergar e ainda tendo que
aturar o asfalto e as calçadas cheias de crateras e com um sistema de escoamento de águas pluviais que nunca
recebeu manutenção e que não consegue escoar a chuva, gerando alagamentos que em alguns pontos
chegam a 35 cm. impossibilitando a passagem de pedestres e inundando garagens. Vale ressaltar que nesta
rua habitam muitos idosos.
A Rua Canning está em nível mais baixo do que a Av. Rainha Elizabeth e a Rua Gomes Carneiro, por isso,
ao chover torna-se uma verdadeira piscina de onde a agua não consegue escapar.

Realizar obras de recapeamento completo (e não de tapa-buraco) e de limpeza de bueiros, troca de tubulação não é algo tão complicado considerando-se que a rua tem apenas 140 metros e uma interdição não geraria impactos tão sofríveis.

Certos do grande número de problemas pelos quais a cidade passa gostaríamos somente de obter soluções
para pequenos problemas de ordem pública que sempre ficaram esquecidos.

Na esperança de soluções, nós, os moradores da Canning agradecemos a todos que nós possam ajudar.

GAROTA DE IPANEMA

por Ruy Castro
Já foi dito, mas as pessoas não se conformam: Tom e Vinícius não fizeram “Garota de Ipanema” no bar que se chamava Veloso e que depois se chamou Garota de Ipanema, na rua que era Montenegro e depois se tornou Vinícius de Moraes, esquina com Prudente de Moraes (nenhum parentesco). Nunca foi do estilo da dupla escrever música em mesas de bares, embora eles tenham investido nelas as melhores horas de suas vidas. Tom compôs meticulosamente a melodia em sua nova casa, ao piano, na rua Barão da Torre, e seu destino seria uma comédia musical intitulada Blimp, que Vinícius já tinha toda na cabeça, mas que nunca levou ao papel.

Vinícius, por sua vez, escreveu a letra em Petrópolis, como havia feito com “Chega de saudade”, seis anos antes, e ela lhe deu tanto trabalho quanto. Para começar, não nasceu se chamando “Garota de Ipanema”, e sim “Menina que passa” — e toda a sua primeira parte era diferente. Era assim: “Vinha cansado de tudo/ De tantos caminhos/ Tão sem poesia/ Tão sem passarinhos/ Com medo da vida/ Com medo do amor/ Quando na tarde vazia/ Tão linda no espaço/ Eu vi a menina/ Que vinha num passo/ Cheia de balanço/ Caminho do mar”.

Quanto à famosa garota, é verdade que foi no Veloso, no inverno de 1962, que Tom e Vinícius a viram passar. Não uma, mas inúmeras vezes, e nem sempre a caminho do mar, mas a caminho também no colégio, da costureira e até do dentista. Principalmente porque Heloísa Eneida Menezes Paes Pinto, mais conhecida como Helô, dezenove anos, 1,69m, olhos verdes e cabelos pretos longos e escorridos, morava na Montenegro e já era muito admirada pelo próprio Veloso, onde entrava com uma certa frequência a fim de comprar cigarros para sua mãe — e saía sob uma sinfonia de fiu-fius.

A canção foi feita e lançada no show do Bon Gourmet em agosto. Os primeiros a gravá-la no Brasil foram Pery Ribeiro, na Odeon, e o Tamba Trio, na Philips, ambos em janeiro de 1963, para que nenhuma das gravadoras se sentisse infeliz. (Claudette Soares, toda lampeira, também conseguiu gravá-la rapidinho, na Mocambo, mas estava tão pouco familiarizada com a letra que trocou o “balançado que parece um poema” por um “balanceado” que mal cabia na métrica.) E, em maio do ano seguinte, 1963, o próprio Tom lançou a canção nos Estados Unidos, no seu primeiro disco feito lá, The Composer of “Desafinado”. A partir daí, apenas os primeiros dois anos (mas que foram os dois primeiros anos da beatlemania), “Garota de Ipanema” teve mais de quarenta gravações no Brasil e nos Estados Unidos, algumas das quais por Nat “King” Cole, Peggy Lee e Sarah Vaughan.

A garota Helô assoviava diariamente a canção a caminho do mar, sem saber que tinha sido sua musa. É verdade que já devia estar desconfiando porque, desde 1962, dois bem informados rapazes de Fatos & Fotos — o repórter Ronaldo Bôscoli e o fotógrafo Hélio Santos — viviam atazanando-a para fotografá-la na praia, num daqueles duas peças que na época pareciam ousados e que hoje dariam para confeccionar vários pára-quedas. Acabaram conseguindo, mas só depois que o pai da garota, um general da linha-dura, certificou-se dos seus bons propósitos. Somente três anos depois, em 1965, quando Helô já tinha 22 anos e estava de casamento marcado, é que Tom e Vinícius lhe revelaram — e à súcia da imprensa — quem ela era.

Houve então um corre-corre, que criou um misto de orgulho e desconforto no general e no noivo: todos queriam conhecer a coisa mais linda e mais cheia de graça. O Rio comemorava naquele ano o seu quarto centenário e ninguém mais perfeita do que Helô para ser o símbolo oficial da cidade, com a roupinha de normalista. O general e o noivo não deixaram. Dois anos depois, em 1967, o Cinema Novo resolveu filmar Garota de Ipanema — e quem seria mais adequada para interpretar o papel-título, dourando-se de biquini ao sol da Montenegro? Mais uma vez o general e o agora marido se interpuseram entre Helô e os olhos do mundo.

A canção continuou despertando fantasias universais a respeito da mítica garota, mas os anos se passaram e o mundo, cansado de lutar, resolveu tratar da vida e dedicar-se a seus outros interesses. Já tinha até se esquecido do assunto quando, 25 anos depois daquela tarde no Veloso, o mundo pôde finalmente apreciar, desta vez au grand complet, os méritos da “Garota de Ipanema” original: na edição de maio de 1987 da Playboy brasileira. Bem, 25 anos não são 25 dias.

Ruy Castro, Chega de Saudade — A história e as histórias da Bossa Nova

VARIEDADES

Cachaça Leblon e Caesar Park Ipanema se unem para criar carta de drinks coloridos

A ultra-premium Cachaça Leblon anuncia no Rio de Janeiro sua mais nova parceria com o Caesar Park Ipanema, hotel que entra para o hall dos mais de 380 pontos-de-venda da cachaça espalhados por 11 estados do Brasil. O projeto Live Love Leblon prevê a elaboração de uma nova carta de drinks destinada aos hóspedes e passantes do Caesar Park Ipanema, provando a versatilidade e sofisticação de Leblon, que vai muito além da mistura das tradicionais caipirinhas e harmoniza perfeitamente com diversos e exóticos ingredientes. O resultado promete coquetéis coloridos e totalmente inovadores, se comparados às bebidas que o carioca está habituado a encontrar nos principais hotéis da cidade. Sucesso nos Estados Unidos e na Europa, Leblon é produzida em Patos de Minas (MG) e está mostrando ao Brasil e ao mundo que o mercado de cachaças pode sim contar com produtos de luxo.

Cachaça Leblon - O segredo da Leblon está em sua produção. Destilada em alambiques de cobre, em lotes especiais, leva a supervisão do renomado Master Distiller francês Gilles Merlet. A bebida descansa em barricas de carvalho francês por seis meses, período em que adquire seu aroma leve e frutado, além da complexidade e suavidade.

Produzida na Maison Leblon, numa sofisticada destilaria que obedece a normas e padrões internacionais, situada em Patos de Minas, Minas Gerais, Leblon inspira as criações de reconhecidos barchefs (designers de coquetéis) no mundo todo. Para o austríaco Albert Trummer, “Leblon é ideal para fazer uma “special” caipirinha, onde os sabores não só combinam como trabalham juntos”.

O mexicano Junior Merino diz que o sabor de Leblon “começa com uma sensação sedosa na boca e vai ficando complexo, diversas ervas e frutas: manjericão, orégano, cascas de frutas cítricas, melancia e frutas vermelhas. O final é longo e traz um mentolado de anis”. www.cachacaleblon.com.br

ATENÇÃO !!! CUIDADO !!!!!!!!

Email mandado por um voluntário do projeto



Escrevo para informar que no dia 10/06 as 18:45h estacionei meu carro na rua Redentor com av. Henrique Dumont, em Ipanema, esperei pelo guardador que vestia a camisa da empresa Embrapark. Paguei os 2,00 do estacionamento e em seguido o funcionário me pediu uma gorjeta de colaboração! Isso é inadmissível, acredito que a Embrapark foi contratada pela prefeitura para organizar as áreas de estacionamento e impedir que os cidadãos fossem achacados. Agora já vejo que além dos 2,00 reais que se cobra pelo estacionamento seremos obrigados a pagar um a mais para a “caixinha” do guardador. Antes tivéssemos ficado com os antigos guardadores que pelo menos só cobravam os 2,00 reais.

ATA DA 42ª REUNIÃO

Atividade sem conotação política que tem como objetivo proporcionar desenvolvimento social para o bairro, a partir de participação voluntária de seus moradores.



ATA DA QUADRAGÉSIMA SEGUNDA REUNIÃO.



LOCAL DE REALIZAÇÃO: UNIVERSIDADE CÂNDIDO MENDES – AUDITÓRIO

DO TRIBUNAL DO JÚRI.

R. Joana Angélica – Ipanema

Dia: 09/06/2009

HORÁRIO: 18H

COORDENAÇÃO: Ignez Barreto

NÚMERO DE PARTICIPANTES: 17



REPRESENTANTES DO PODER PÚBLICO AUSENTES:



TÓPICOS ABORDADOS :



1- TITULARIDADE DO CANTAGALO:

Todas as informações sobre as habitações já foram repassadas aos órgãos de Governos que informaram que a questão fundiária será regularizada.



3- COMÉRCIO NA AREIA;

Foi realizada audiência pública na Câmara dos Vereadores em que as associações deste setor estiveram presentes e reivindicaram maior número de permissões, entre outros. Lamentavelmente só a Coordenação do PSI esteve presente.

4- FAIXAS DE CONSCIENTIZAÇÃO;

Arrecadou-se a quantia de R$ 410,00 sendo que eram necessários R$ 420,00. Tal verba para a colocação das faixas em locais de visibilidade e estratégicos para conscientização de quão perigoso é a compra em ambulantes e dar esmolas. Neste caso, o pedinte acostuma-se com tal prática e jamais irá esforçar-se para encontrar ocupação digna. As mercadorias dos camelôs são ilegais e de procedência duvidosa.

O PSI agradece a todos que colaboraram e informa que as doações para esta mobilização estão encerradas.



5- RÉVEILLON E CARNAVAL

Foi pedida reunião com o Sr. Secretário de Turismo ( SR. FIGUEIRA DE MELLO) para proibição definitiva do Reveillon em Ipanema e quanto ao Carnaval solicitou-se a delimitação dos blocos àqueles que já existiam no bairro tradicionalmente, em número de 5 (cinco). Fechamento da Av. Vieira Souto apenas na passagem dos mesmos ou apenas uma faixa de rolamento. Proibição de eventos na R. Farme de Amoedo, tendo em vista o alto som provocado justamente ao lado de hospital e, ainda, cenas de atentado ao pudor. Para este fatos solicita-se que o poder Público seja veemente na coibição, como por exemplo, multando as pessoas que praticam tais atos.



6-- APA

Têm sido realizadas periódicas reuniões para prolongar suas extensões pois além de proteger o ambiente também serve como área de segurança.



7-- CURSO DE PORTEIROS.

A Coordenação deste curso foi assumida pelo Sr. George André e já existe 32 inscritos para a 5ª turma que deverá acontecer nos próximos dias. Este curso está aberto a todos os bairros. Ressalta-se que já foram realizadas 4 turmas e os Condomínios só deverão admitir novos empregados àqueles que possuírem o Diploma fornecido pelo 23º BPM.



8- FEIRA HIPPIE;

Há grande dificuldade na manutenção dos feirantes, que são realmente artesãos, pois existem representantes públicos (vereadores) interessados na exploração de outras atividades diversas das primeiras. Tais pessoas influenciam as legalizações que em última instância provocam o caos na área aos domingos. Todavia, já se percebeu a presença de FISCAIS DA RECEITA FEDERAL E OUTROS ÓRGÃOS QUE CUIDAM DESTAS ATIVIDADES na mencionada Feira e ADVERTÊNCIAS JÁ FORAM EMITIDAS. QUEM NÃO SE ENQUADRAR SERÁ PUNIDO DE ACORDO COM OS TRÂMITES DE LEI.

Após a regularização a próxima etapa serão cursos de capacitação profissional por Desenvolvimento Regional Sustentável.



9- CANTEIROS E JARDINS;

Foi realizada reunião com Parques e Jardins e a Empresa ADIDAS para que reformulassem o projeto, haja vista que o primeiro foi ineficaz, não atendendo a solicitação de reflorestamento como forma de coibir que a população utilize o bem público com ações depredatórias.



10- COLÓQUIO COM A VEREADORA ASPÁSIA CAMARGO;

A Profa. ministrou colóquio na Universidade Cândido Mendes sobre o Plano Diretor, mencionando que há 17 anos não existe tal atividade na cidade, ou se existe, não é colocado em prática. A partir de agosto portanto, será elaborado com base na metodologia de Planejamento Estratégico em que pontos fortes e fracos são definidos, para realização de possíveis cenários e sua conseqüente implantação. Salientou que há necessidade de resgate de atividades econômicas para o Município, tais como serviços e principalmente o turismo.

A partir deste ponto fez menção clamorosa sobre o Desenvolvimento Sustentável, localizando a atenção para a questão ambiental em que a má educação das pessoas, a pobreza, o consumo desenfreado e irresponsável são os grandes inimigos do prosseguimento das formas de vida no planeta.



PRÓXIMA REUNIÃO: 23/6/2009.



Elaboração da ata: JGuia – Rio de Janeiro, 11/6/2009.

ARPOADOR


Enviado por Lauro Neto


Provocação botafoguense no Arpoador


O técnico de remo do Botafogo, Xoxô, e o ex-craque de basquete alvinegro Israel participaram da cerimônia de hasteamento da bandeira do Glorioso ontem no Quiosque Mangabeira, no Arpoador, onde já havia outra rubronegra. É que o presidente do Flamengo, Marcio Braga, mora ali em frente. A ideia da provocação bem humorada foi do botafoguense Conde Gerard, que doou a bandeira do Fogão a Napoleão, que não é Bonaparte, mas hasteou a bandeira no seu quiosque. Agora as duas bandeiras tremulam lado a lado.

- A finalidade é difundir o uso de bandeiras de clubes do Rio na orla como atracao turistica. A ideia poderia ser aproveitada, e bandeiras brasileiras poderiam ser colocadas em prédios públicos, como a Biblioeca Nacional, Theatro Municipal, MAM etc. - sugeriu Conde Gerard, acompanhado de seu filho, o advogado botafoguense Gerard Philipe Filizzola.

Acho que vou aderir à ideia e doar uma bandeira do Vasco ao quiosque. Em tempo: estive em Rio Branco, no Acre, na semana passada e lá há praticamente uma bandeira acreana em cada espaço público importante. Foi uma forma que o governo de lá achou para elevar a autoestima do povo. Os cariocas, com todas as belezas e mazelas da Cidade Carioca, bem que estão precisando de uma injeção de ânimo no ego. Fica a dica.

EXEMPLO


Ator de "Tropa de Elite" terá de depor por fazer xixi na rua


André Ramiro foi fotografado quando fazia xixi em um coqueiro em frente à praia de Ipanema e vai parar na delegacia


André Ramiro terá de explicar sobre xixi na ruaO ator André Ramiro, que interpretou o aspirante Matias no filme "Tropa de Elite", será chamado para prestar depoimento no 14º DP, no Leblon, Rio, depois de ser flagrado fazendo xixi em um dos coqueiros da avenida Vieira Souto, em frente à praia de Ipanema, informou o jornal "Extra".

A atitude de Ramiro foi fotografada e o delegado Ronaldo Oliveira decidiu apurar o suposto crime de ato obsceno. Um boletim de ocorrência foi registrado na delegacia e o ator terá de depor. Caso seja condenado, pode pegar de três meses a um ano de prisão.

Em entrevista ao jornal "Extra", Ramiro disse estar muito arrependido. "Assumo meu erro. Peço desculpas. Não queria fazer o que fiz. Achei que a árvore fosse o local ideal. Estou muito arrependido. Não queria fazer xixi na praia e na areia. Acabei escolhendo a árvore."

VERÃO 2010


Biquínis comportados fazem o verão de 2010 no Fashion Rio


Laterais mais largas ganham espaço e sugerem novos cortes


Lenny apostou na tecnologia a laser para desenhar suas formas.

Alícia Uchôa e Carla Meneghini


O verão de 2010 vai ser de biquínis de laterais largas num visual mais
comportado. É o que mostraram grifes como Lenny, Salinas e Luiza Bonandiman nesta temporada do Fashion Rio.


Mas a mudança ainda não é radical. Aos poucos, lacinhos e laterais fininhas vão dando lugar a modelos retos, franzidos ou assimétricos dos lados, mas largos, num ajuste ao corpo feminino diferente dos antecessores sunguetes e sunquínis.

A estilista Lenny Niemeyer lançou mão da tecnologia para garantir um bom caimento dessas peças. "Os biquínis mais larguinhos já são uma tendência.
Continuei trabalhando formas geométricas, mas com a inovação dos cortes a
laser", explicou ela.

Também adepta da tendência, Luiza Bonadiman dá dicas. "Como desenhei uma calcinha mais baixa, quis harmonizar com um modelo maior, mais comportado", diz a estilista, que já vê seguidoras dos modelos nas areias de Ipanema.

BELO EXEMPLO !!!!!

Enviado por Mauro Ventura -

9.6.2009 11h53m.

Faroeste urbano

Manhã em Ipanema, 11h de hoje. Na esquina nobre da Rua Prudente de Moraes com a Henrique Dummont, um policial e um suposto taxista saem trocando tiros, para desespero dos passantes.

A mulher de um amigo meu teve que se esconder no restaurante Margutta.

Os dois saíram duelando em direção ao Leblon. Provavelmente o PM interceptou o táxi, os dois começaram a discutir e o tiroteio começou. Salve-se quem puder.

ALÔ ,EMBRAPARK !!!

Enviado por Mauro Ventura -

Alô, Embrapark !

Manhã de domingo, sento-me numa mesa do Talho Capixaba para o café da manhã. OK, não era bem de manhã, já passava do meio-dia.

Para quem não conhece a região, na frente da padaria do Leblon há várias vagas para estacionar. Todas pelo sistema Vaga Certa. O guardador estava lá, como era de se esperar.

Aí vem o dado inusitado da história. As vagas em frente à padaria ficaram vazias durante praticamente toda a uma hora que passei no lugar. Em compensação, todos os carros paravam em fila dupla, atrapalhando o trânsito e causando confusão. Explicando melhor: as vagas oficiais, coladas à padaria, ficavam vazias, enquanto paralela a elas se formava uma fila irregular, ocupando a rua.

O guardador orientava as pessoas a pararem em fila dupla. Durante uma hora, não entregou nenhum talão. Os motoristas ganhavam em agilidade, porque não precisavam manobrar para estacionar - era só deixar o carro de qualquer jeito na rua. O guardador ganhava em dinheiro - exibia a mão cheia de notas e os bolsos carregados de moedas.

Mas perdiam todos os outros. Os que tentavam trafegar pela Rua Ataulfo de Paiva e os que caminhavam ao som das buzinas

ALÔ ,EMBRAPARK !!!

Enviado por Mauro Ventura -

Alô, Embrapark !

Estaciono à noite em Copacabana e o guardador pergunta:

- Vai dormir na rua?

Poderia ter dito que não, explicado que eu ia dormir em casa, mas nem eu nem ele estávamos para gracinhas. Falei que daqui a pouco ia tirar o carro dali. Ele diz:

- Então não precisa de talão. Basta os dois reais.

- Não é questão de precisar ou não - respondi. - É questão de ter que.

A contragosto, ele me deu o tíquete.

Uma das principais queixas com relação ao sistema anterior era que volta e meia os guardadores alegavam que o talão tinha acabado. O motivo era simples. Dos R$ 2 de cada tíquete, eles recebiam R$ 1,20 - o restante ficava com a prefeitura. Quando não davam tíquete, eles embolsavam tudo.

Os atuais guardadores, da Embrapark, ganham salário fixo. Quando não dão tíquete, eles embolsam tudo.

Deu para entender? Trocaram seis por meia dúzia.

CONTINUA A MESMA COISA........


Enviado por leitor Fernando Luiz Nogueira Pedrosa


EU-REPÓRTER


Nana neném e a mesma imagem sempre

A imagem é sempre a mesma. Triste, melancólica e, algumas vezes, repulsiva pelos aspectos de higiene e respeito aos passantes. Invariavelmente, os moradores das ruas Sá Ferreira e Bulhões de Carvalho, em Copacabana, precisam desviar de uma turma de moradores de rua que usam a marquise de uma loja abandonada para passarem a noite.

O choque de ordem da prefeitura não passa por aqui. Estamos falando de Copacabana e de um trecho onde, a menos de 10 metros, funciona a obra de um dos acessos da futura estação do Metrô de Ipanema. Exatamente por conta da obra, com intensa movimentação de caminhões e veículos de serviço, há a presença constante de controladores de tráfego com o uniforme da CET-Rio. Portanto, não há como a autoridade alegar desconhecer o fato. Há representantes legais da prefeitura vendo e convivendo com esse "fenômeno". Sinceramente não sei como classificar essa situação. Seria típica de um país com baixo grau de desenvolvimento? Seria reflexo de uma população tolerante que, penalizada, imagina que a pobreza dessa gente não permite outra alternativa? Ou seria a velha prática do poder público de deixar como está para ver como é que fica?

OBRAS DO PAC


Estreia

Primeiro prédio do PAC fica pronto em julho. Unidades do Cantagalo terão 2 quartos e vista para o mar


Rogério Daflon


RIO - Embora com recursos mais modestos do Programa de Aceleração de Crescimento (PAC) em relação a outras favelas, como a Rocinha e as dos complexos de Manguinhos e do Alemão, as obras dos morros do Cantagalo (Ipanema) e Pavão-Pavãozinho (Copacabana), que têm orçamento de R$ 35 milhões, estão mais adiantadas. Na primeira quinzena de julho será inaugurado, na Estrada do Cantagalo, um prédio com dois blocos e 56 unidades, com dois quartos e vista para o mar. Além disso, as cerca de 5.300 casas das duas favelas já estão ligadas à rede de esgoto formal da cidade.


Dentro do orçamento de R$ 35 milhões, a previsão é que sejam construídos quatro prédios. Além do que será inaugurado, haverá outro com dois blocos com 64 apartamentos ao todo, e mais dois - um com 28 e outro com 40 apartamentos.

Quanto aos becos e vielas, todos foram pavimentados, e alguns deles receberam novas escadas, dentro dos padrões técnicos. Os problemas de drenagem, segundo o engenheiro-chefe da obra, Rodrigo Ventura, foram totalmente sanados. O engenheiro ressaltou a abertura do Beco do Amor Perfeito, que apesar de ser próximo à esquina da Rua Saint Roman com Sá Ferreira, tinha o acesso fechado há mais de 40 anos, o que obrigava os moradores dali a subirem uma escadaria de 500 metros para só então chegarem ao asfalto.

FAIXAS



Rio,10/06/2009



Caros companheiros,



O Projeto de Segurança de Ipanema seguindo a sua linha de que a conscientização da sociedade é passo fundamental para conseguirmos qualquer avanço social, obteve do administrador regional da VI RA a autorização para a colocação de faixas estimulando a população a não dar esmola nem comprar em camelôs. Serão 16 faixas espalhadas pelo bairro que vão ser colocadas em diversas esquinas desde a praça Gen. Osório até o Jardim de Alá. A colocação está confirmada para começar dia 15/06, segunda feira às 9,00 hs. na praça Gen. Osório esquina com Teixeira de Melo.

Gostaria de convidar e convocar todos para que participem da colocação das faixas. Temos de entender que é o nosso interesse que está em jogo. Um bairro mais organizado, sem camelôs nem população de rua é um local mais limpo, sem desordem urbana e portanto mais seguro. Todos estes elementos não só influenciam a nossa vida do dia a dia, mas também colaboram para a valorização de nossos imóveis, negócios ou qualquer outro investimento que tenhamos em Ipanema.

Conto com a presença de todos.

Ignez

CADÊ A POLÍCIA ???


Enviado por leitora Claudia Pilher Musumeci


EU-REPÓRTER
Polícia passa e não reprime jogo do bicho em Ipanema


A operação BACANA que a prefeitura faz esquece, pelas ruas de Ipanema, as cadeiras e mesas onde o jogo do bicho se instala. Perceba na foto que as meninas sentadas não saem e a polícia que passa nada faz!
Uma loucura essas divergências!

CHOQUE DE ORDEM

Carlos Eduardo,

Bom dia!
Parabéns pelo trabalho que foi feito essa madrugada no bairro de Ipanema no que se refere ao recolhimento de moradores de rua, etc.

Voluntário do PSI

TIROTEIO EM IPANEMA

Tiroteio assusta moradores de Ipanema

Segundo a polícia, suspeitos armados são procurados na região.
Eles teriam roubado ou furtado um táxi em Copacabana
.

Do G1, no Rio

Um tiroteio na manhã desta terça-feira (9) assustou moradores de Ipanema, na Zona Sul do Rio.

De acordo com informações iniciais do coronel Lima Castro, comandante do 23º BPM (Leblon), suspeitos armados teriam roubado (ou furtado) um táxi modelo Meriva em Copacabana, também Zona Sul, e fugido em direção a Ipanema.

Segundo o comandante, policiais militares do 19º BPM (Copacabana) avisaram uma patrulha do 23º BPM, que passava pela região, e houve perseguição. Os supeitos atiraram contra o carro da PM, saltaram do táxi e fugiram a pé.

A polícia faz buscas pelo bairro à procura dos suspeitos.


Dentro do táxi, que foi abandonado na altura da Rua Henrique Dumont, foi encontrada uma bolsa.

ABANDONO











Enviado por Renato Grandelle -








Saint Roman continua abandonada





Quase dois meses atrás, o GLOBO-Zona Sul publicou reportagem sobre a Rua Saint Roman, em Ipanema. A via, que leva aos morros do Pavão-Pavãozinho e Cantagalo, ainda não viu sinais do PAC, o programa de desenvolvimento que está sendo implantado nas comunidades. No asfalto, sobram carros sobre as calçadas, Kombis usadas como depósitos por barraqueiros e oficinas mecânicas ao ar livre.

Embora, na ocasião, a Secretaria de Ordem Pública tenha se declarado "atenta" às irregularidades, a ladeira continua no mesmo abandono. Veja abaixo as fotos que o leitor Marco Bransford tirou esta semana.